Consultor Jurídico

Confisco on line

Juízes e especialistas repelem bloqueio de faturamento

A Academia Brasileira de Direito Tributário lançou esta semana um alerta sobre um movimento que põe em risco a combalida saúde de empresas em recuperação econômica. O perigo, alerta o diretor da ABDT, Marcelo Campos, consiste na tentativa de indisponibilizar ou penhorar o faturamento de empresas em caso de dívida mesmo quando existem outras alternativas ou quando o débito é apenas suposição.

Na última quinta-feira (9/12), a base petista no Congresso fez a sua terceira tentativa para adotar o confisco do faturamento como mecanismo de rotina. Tentou-se emendar a Medida Provisória 216, que trata de desconto de crédito na contribuição social sobre lucro líquido, PIS/Pasep e Cofins.

Na semana anterior, usando uma MP que trata da modernização portuária, a 206, os petistas, na primeira investida tentaram emplacar a penhora de 30% do faturamento. Na segunda, 15%. A proposta foi repelida até mesmo por setores alinhados com o governo, mas a retenção ou penhora de faturamento continua pairando como uma ameaça à recuperação de empresas em dificuldades.

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio, "não se pode chegar ao extremo de penhorar algo que inviabilize a vida civil do suposto devedor". Em especial, assinala o ministro, quando existe a alternativa de outros bens a indisponibilizar. "Impedir a sobrevivência do devedor, matar a empresa não atende o interesse de ninguém”. Na mesma linha, identificam a excepcionalidade da medida os ministros Celso de Mello e Gilmar Mendes.

Para o constitucionalista Ives Gandra Martins, bloquear o faturamento de empresa fora da execução, sem que a dívida seja apurada ou definida "é um absurdo total". Invocando o inciso LV do artigo 5º da Constituição, Gandra Martins aponta flagrante violação da Carta, já que, sem recursos, a empresa tem o seu direito de defesa reduzido.

Na mesma linha, em decisão que derrubou a indisponibilidade de faturamento de uma empresa, o ministro Franciulli Netto, do Superior Tribunal de Justiça, assinalou que o entendimento do tribunal é o de que "a constrição judicial sobre o faturamento da empresa pode inviabilizá-la", o que frustra, por certo "a possibilidade de a devedora enfrentar seus débitos, comprometendo a sua estabilidade financeira".

Segundo Franciulli Neto, “é firme a orientação deste Sodalício, esposada em inúmeros julgados desta Corte, no sentido de que a penhora sobre o faturamento da empresa somente poderá ocorrer em hipóteses excepcionais. Dessa forma, a penhora sobre o faturamento bruto mensal da empresa executada somente pode ocorrer em último caso”.

O tributarista Raul Haidar afirma que a faixa de bloqueio de 30% do faturamento como se tentou impor na MP 206 "é o mesmo que decretar a falência da empresa", argumenta, lembrando que "empresa nenhuma, atualmente, tem lucro de 30%".

Segundo o jornal Valor desta quarta-feira (15/12), o governo desistiu "por enquanto" desse objetivo. Esse por enquanto, segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, é o período do recesso.

Leia a notícia publicada no jornal Valor Econômico

Governo quer penhora de faturamento na legislação

Josette Goulart e Zínia Baeta

De São Paulo

O governo desistiu, por enquanto, de inserir em lei a previsão de penhora do faturamento de empresas devedoras do fisco. Mas ainda encampa a idéia e pretende apresentá-la novamente no Congresso Nacional. Em menos de um mês, foram três tentativas de inserir em duas medidas provisórias a previsão legal da penhora, mas houve uma chiadeira da bancada dos empresários na Câmara dos Deputados e os dispositivos que permitiam tal procedimento foram retirados.

As duas primeiras foram tentativas de inserir emendas à Medida Provisória nº 206, que trata de questões tributárias do mercado financeiro e de capitais e cria o Regime Tributário para Incentivo à Modernização e Ampliação da Estrutura Portuária (Reporto). A primeira proposta era de fazer a penhora sobre 30% do faturamento e em seguida reformulou-se o texto para um percentual de 15%.

A terceira tentativa ocorreu na semana passada, quando o relator da Medida Provisória nº 219 - que dispõe sobre o desconto de crédito na apuração da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins não cumulativas - propôs a inserção de um artigo que previa a penhora, sem definir um percentual, e também previa que o fiel depositário seria o próprio dono da empresa.

As medidas são reinvidicações da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Apesar de sair de cena no momento, a PGFN não desistiu da idéia e pretende retoma-la em um momento mais tranqüilo. "Houve um acordo para a retirada da proposta de pauta porque vimos que este fim de ano não era o momento adequado para se discutir o assunto", afirma o procurador-geral da Fazenda Nacional, Manoel Felipe Rêgo Brandão.

Segundo Brandão, a questão é polêmica, mas não é nova. O Poder Judiciário, segundo ele, autoriza a penhora do faturamento, normalmente no percentual de 30%, depois que a empresa devedora não pagou o débito ou apresentou bens. O problema em relação à questão é que as decisões judiciais determinam que a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional seja a depositária, ou seja, tenha alguém para acompanhar o faturamento. "O que na prática é inviável", afirma Brandão. Por esta razão, a procuradoria busca uma inserção em texto legal determinando que o empresário seja o depositário e não a procuradoria.

Alguns tributaristas protestam e líderes de empresariais dizem que a medida pode gerar uma quebradeira nas empresas que teriam confiscados seus faturamentos. Mas o procurador da Fazenda frisa que a penhora só ocorre quando o contribuinte já se defendeu e perdeu na Justiça. E, primeiramente, o juiz cita a parte para pagar ou oferecer bens à penhora. A penhora do faturamento ocorreria apenas em último caso.

O advogado tributarista Raul Haidar critica a posição da procuradoria e diz que se a intenção é coibir sonegação, a medida não ajudará. "As empresas que sonegam deliberadamente têm mecanismos para fugir desse controle, até porque escondem faturamento", diz Haidar. Além disso, o advogado diz que, como trata-se de uma lei federal, a mudança da legislação não deveria ser por uma medida provisória e que as alterações deveriam ser feitas pelo Congresso Nacional por meio de um projeto de lei.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de dezembro de 2004, 11h16

Comentários de leitores

3 comentários

Muito esperto o governo! Do jeito que as coisas...

Victor Sarfatis Metta (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Muito esperto o governo! Do jeito que as coisas vão, logo todas as empresas só vão trabalhar com dinheiro vivo. E não vão pagar um só centavo ao governo! Estão cada vez mais forçando todos à informalidade. Aí eu quero ver como fica....

O "governo" quer arrecadar 51% mas consegue só ...

Vicente Afonso ()

O "governo" quer arrecadar 51% mas consegue só 38%. Parece querer tirar essa diferença na base da penhora do virtual 30% do faturamento. Só que qualquer contador e economista sabe que as empresas só tem lucro de 2%. Esse atual governo quer que as empresas quebrem e esse país passe de democracia para socialismo, tanto que está fazendo um concurso atrás do outro, dando a entender que o "governo" tem emprego a rodo e paga bem! Só que quem paga imposto e gera riqueza nesse país são as empresas (livre iniciativa, art 179 da CF) e não o "governo"! Essa falsa impressão do "governo" não vai longe, só até não ter mais dinheiro para mantê-la!

Uma das opiniões acima relatadas não está funda...

Marcondes Witt (Auditor Fiscal)

Uma das opiniões acima relatadas não está fundamentada na realidade dos fatos. A penhora do faturamento, se fosse acatada, estaria sendo incluída no artigo 11 da Lei nº 6.830/1980 que, para quem não sabe, é a Lei de Execuções Fiscais. Portanto, não seria uma "penhora fora da execução", como quer fazer crer um eminente jurista acima citado, mas sim, exatamente uma penhora dentro da execução, a qual é conduzida por um juiz, que pode ou não deferir a penhora pretendida pelo credor. (Emenda nº 36 à Medida Provisória nº 206/2004).

Comentários encerrados em 23/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.