Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Recurso negado

Contribuição previdenciária não incide sobre vale-transporte

A contribuição previdenciária não incide sobre o vale-transporte. O entendimento é da Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho. A Turma negou o recurso do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

O INSS queria que a contribuição previdenciária incidisse sobre o benefício. Não conseguiu. Com a decisão do TST, foi confirmada decisão da segunda instância que rejeitou a incidência dessa contribuição sobre parcela de acordo judicial referente ao vale-transporte pago em dinheiro a uma ex-empregada (recepcionista) da empresa Comércio de Combustíveis Ltda.

“A natureza jurídica do vale-transporte não é salarial, não se incorpora à remuneração do trabalhador para quaisquer efeitos e não constitui base de incidência de contribuição previdenciária”, afirmou o relator, o juiz convocado Luiz Antonio Lazarim.

A alegação do INSS contra decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (Rio Grande do Sul) é que o vale-transporte fez parte das parcelas do acordo trabalhista entre ex-empregada e empresa e teria, assim, evidente cunho salarial. Isso porque não atendeu aos objetivos traçados no Decreto 95.247/87 que instituiu o benefício ao trabalhador para utilização efetiva em despesas de deslocamento residência-trabalho e vice-versa.

No acordo judicial, a empresa pagou para a ex-empregada uma parcela de R$ 922 referente ao vale-transporte. Para o relator, entretanto, o valor atribuído ao vale-transporte, por força de acordo homologado pela Justiça do Trabalho, não retira a sua natureza jurídica.

AIRR 642/2002

Revista Consultor Jurídico, 15 de dezembro de 2004, 10h09

Comentários de leitores

2 comentários

A "máquina pública judiciária" foi movimenta, n...

Marcelo Silva (Contabilista)

A "máquina pública judiciária" foi movimenta, no caso concreto, para se arrecadar algo em torno de R$ 275,00! Não resta dúvida que o interesse público na arrecadação das contribuições sociais deve prevalacer, sob pena de insubordinação jurídica. Entretanto o custo efetivo da "máquina" para buscar R$ 275,00 é, efetivamente, inúmeras vezes superior.

A lei 7418/85 que instituiu o Vale Transporte, ...

Benedito Tavares da Silva ()

A lei 7418/85 que instituiu o Vale Transporte, diz em seu art. 2º "a" que o Vale Transporte não tem natureza salarial, nem se incorpora à remuneração para quaisquer efeitos. A questão é, se até perante o Judiciário o INSS ousa dizer que na prática a lei não diz o que diz, imagine-se como o contribuinte é assolado em procedimentos administrativos?

Comentários encerrados em 23/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.