Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Brésil, mon amour

Francês expulso do Brasil quer voltar para conviver com a filha

Expulso do Brasil enquanto cumpria pena de prisão por tráfico de drogas, o francês Charbel Chafica Rajha voltou à França e parecia definitivamente afastado dos trópicos. Agora Rahja entrou com um pedido de Habeas Corpus junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ter o direito de retornar à pátria adotada, onde pretende se juntar a sua filha brasileira, nascida quando estava preso.

Rajha foi detido pela Polícia Federal em 1997 quando tentava embarcar para a Suíça levando cinco quilos de cocaína. Julgado, foi condenado a cinco anos de prisão. Durante o cumprimento da pena, a Justiça brasileira decretou sua expulsão. Rahja voltou à França, onde acabou de cumprir a pena.

Quando ainda estava preso no Brasil, Rajha conheceu uma assistente social com quem teve uma filha em 2002. Alegando o direito de viver ao lado da filha, Rajha entrou agora com um Habeas Corpus no STF, pedindo autorização para retornar ao país.

A defesa do francês sustenta que “ao não se permitir ao paciente seu ingresso em território nacional, o decreto fere preceitos constitucionais da mais alta relevância e impinge à pequena filha orfandade de pai vivo”.

Os advogados de Rajha evocaram o Estatuto da Criança e do Adolescente, o qual preconiza que “toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio de sua família”. A defesa também ressaltou o fato de o francês não responder a nenhum outro inquérito dentro ou fora do Brasil. O pedido de Habeas Corpus foi protocolado no STF na tarde dessa sexta-feira (03/12).

HC 85203

Revista Consultor Jurídico, 3 de dezembro de 2004, 19h29

Comentários de leitores

1 comentário

A Assistente social ao se envolver com o france...

Lula Mattos (Corretor de Seguros)

A Assistente social ao se envolver com o frances já sabia em que condições ele se encontrava, acho que ao inves dele voltar para o Brasil, que ela vá para a França com a filha. Acho que ele não teve rspeito pelo Brasil, portanto não dve ser abraçado pela nossa pátria.

Comentários encerrados em 11/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.