Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Julgamento adiado

TJ paulista adia julgamento de acusados por explosão em shopping

Por 

O Tribunal de Justiça de São Paulo adiou para a próxima quinta-feira (9/12) o julgamento da apelação criminal que condenou cinco pessoas a penas de prisão pela explosão no Osasco Plaza Shopping. O julgamento foi adiado após o voto do relator, desembargador Ericson Maranho, e terá continuidade com os votos dos desembargadores Debatin Cardoso (revisor) e Pedro Galhiardi (3º juiz).

O relator absolveu Marcelo Marinho Andrade Zanotto -- diretor da B7 Participações (dona do empreendimento), -- e Antonio das Graças Fernandes, da administração do shopping. Os dois haviam sido condenados a oito anos de prisão.

Absolveu também os engenheiros Rubens Luciano Basile Molinari, Edson Vandenbrande Poppe e Flávio Roberto Camargo, da construtora Wysling Gomes.

O desembargador Ericson Maranho entendeu que não havia nos autos provas suficientes para responsabilizar os réus pela tragédia e que existia incompatibilidade entre a denúncia apresentada pelo Ministério Público e a sentença do juiz Cláudio Antonio Marcos da Silva, da 2ª Vara Criminal de Osasco.

Explosão

O acidente, causado por um vazamento de gás no subsolo do edifício, matou 42 pessoas e feriu 472. Ele ocorreu na véspera do Dia dos Namorados, 11 de junho de 1996, perto da praça de alimentação. Segundo testemunhos de lojistas e funcionários, o cheiro de gás era comum no local. Eles disseram ter feito várias reclamações à administração.

O laudo do Instituto de Criminalística confirmou que uma série de erros na instalação de GLP (gás de cozinha) foi a causa da explosão. Os peritos concluíram que o vazamento aconteceu em uma tubulação de gás desativada. Havia incompatibilidade entre alguns materiais utilizados.

O shopping alega que é inocente das acusações. O argumento da defesa é o de que aquele prestador de serviços seria vítima dos problemas de construção do prédio e da falta de fiscalização da companhia de gás. Esses problemas teriam ocasionado o vazamento que culminou na explosão.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2004, 16h42

Comentários de leitores

3 comentários

‘Lamento’ informar-lhes mas, após breve período...

Malagoli (Jornalista)

‘Lamento’ informar-lhes mas, após breve período em “estado vegetativo persistente”, faleceu ontem nesta capital, vítima de isquemia, ocasionada por “acidente vascular cerebral”, o senhor Bernardo Roberto da Silva. O corpo do o ex-Tecno-gasista (é tecno mesmo), será cremado amanhã dia 28/10/08, às 12:00 h no Crematório de Vila Alpina. Malagoli

Tecnicismo jurídico exacerbado garantindo a imp...

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

Tecnicismo jurídico exacerbado garantindo a impunidade. Vão acabar condenando o povo e os lojistas que insistiram em permanecer passeando e vendendo respectivamente, num local que cheirava gás. Meus sentimentos aos parentes das vítimas que esperavam ver alguém responsabilizado e pagando pela tragédia.

e novamente todo mundo sai livre a pergunta é s...

BARRETO (Estudante de Direito - Comercial)

e novamente todo mundo sai livre a pergunta é se houvesse no local do um parente de algum juiz do tribunal será que seria diferente!!!!!!!!!!!!!!!!!! BRSAIL MOSTRA TUA CARA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Comentários encerrados em 10/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.