Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tecnologia cidadã

Carta de Salvador propõe movimento pela inclusão digital

Refletir sobre a legislação vigente de informática, tecnologia e Internet no lugar de criar um novo cipoal de leis. Criar mecanismos para efetivar a chamada inclusão digital. Fortalecer e disseminar a filosofia do software livre.

Essas são algumas das principais recomendações firmadas na Carta de Salvador, documento que nasceu do III Cibercon (http://www.cibercon.org.br), encerrado do último sábado (28/8). O evento, promovido pelo Instituto Brasileiro de Política e Direito da Informática (IBDI) contou com 34 palestrantes de seis países -- Brasil, Inglaterra, França, Espanha, Chile e Uruguai.

Foram 17 debatedores, 698 congressistas de mais de 20 estados brasileiros, além de convidados. No total, mais de 800 participantes. A terceira edição do Cibercon teve 13 blocos de estudos, entre conferências, mesa-redonda e painéis.

O encerramento contou com palestra do ministro José Delgado, do Superior Tribunal de Justiça.

Leia a Carta de Salvador

III CIBERCON

28 DE AGOSTO DE 2004

Como bem sabemos, a sociedade está mudando. Certamente, com maior rapidez e objetivando o interesse não do homem, mas dos que querem aguilhoar o homem.

E os pretensos conquistadores das terras digitais propõem trocas como os descobridores sempre costumavam compor. Nossos índios trocavam seu ouro pelo know-how do tamanco. Queremos repetir a história. Contudo, neste momento do tempo, nós temos armas, boas armas para mudar esse estigma e criar um novo paradigma, bem como nortear nossos sonhos a fim de que se tornem realidade.

Afinal, sonhos quando não perduram em sonhos acabam criando um verdadeiro pesadelo.

Destarte, é oportuno que não só a cidadania, em termos de exercício direto nos moldes de nossa libertária constituição, se torne realidade, posto que ao cidadão é que cabe o exercício direto dos desígnios do Brasil, por meio de projetos de lei de iniciativa popular, de referendum e de plebiscito.

A Internet é o melhor instrumento para concretizarmos esse objetivo. Com a certificação e a assinatura digitais, as prerrogativas constitucionais, que são apenas palavras, podem se tornar verbo. O momento é de hacktivismo, para que se efetive a inclusão digital tão clamada hoje em nossos tempos.

Recomenda-se a reflexão sobre a legislação vigente em lugar de promover a hiperinflação legislativa, enfatizando a necessidade de se debruçar sobre o estudo do fato social, fugindo da análise meramente legalista, mediante a constante busca da humanização da tecnologia.

Recomenda-se que o papel fiscalizador do Estado deva ser transparente face às crescentes iniciativas de consolidação de bases de dados, mediante deliberação conjunta com a sociedade civil, visando à preservação da intimidade e dignidade dos cidadãos e cidadãs.

Recomenda-se o uso da tecnologia no fortalecimento da democracia participativa, da ampliação do espaço público e na promoção da transparência das ações governamentais.

Recomenda-se a aplicação do Direito Penal Informático mínimo.

Recomenda-se flexibilizar as formas de apropriação e desapropriação da cultura; a propriedade intelectual e digital deve nortear-se pelas finalidades sociais que lhes são intrínsecas.

Recomenda-se o fortalecimento, a articulação e a disseminação da filosofia do software livre, robustecendo os vínculos entre esta filosofia e sua interação com os movimentos sociais.

Recomenda-se o uso de documentos e assinaturas digitais para a prática de atos processuais, tendo em vista as vantagens para a celeridade, redução de custos e efetividade do processo. A certificação digital dos atores processuais há de ser emitida pela entidade que tenha o poder e a competência de atribuir as suas respectivas qualidades, devendo os juízes ser certificados pelo Poder Judiciário, os Promotores pelo Ministério Público e os advogados pela OAB.

Recomenda-se ao Poder Judiciário que mantenha sua autonomia constitucional em relação ao uso de sistemas de certificação digital, a exemplo do que propõe a OAB, que oferece uma solução livre e de código aberto, visando unir esforços e reduzir os custos com a implantação de soluções tecnológicas para adequar as rotinas processuais automatizadas.

Salvador, 28 de Agosto de 2004.

Comissão Organizadora

Comissão Científica

Revista Consultor Jurídico, 31 de agosto de 2004, 12h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.