Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Volta ao passado

Ameaça de bomba faz OAB evacuar prédios de Seccional

Um telefonema para o call center da OAB paulista, afirmando que uma bomba explodiria no prédio da Seccional, provocou o evacuamento dos dois prédios da entidade no centro de São Paulo. Neste dia 27 de agosto faz exatos 24 anos que uma bomba explodiu na sede do Conselho Federal da Ordem, matando a funcionária Lida Monteiro da Silva.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, avisada, mandou o esquadrão anti-bomba vasculhar o prédio. Nada foi encontrado no edifício da Praça da Sé, nem na sede administrativa que fica na rua Senador Feijó.

A diretoria da Seccional encontra-se em São José dos Campos, no 2º Encontro dos Advogados do Vale do Paraíba e Litoral Norte.

Túnel do tempo

"Foi, sem dúvida, um dos dias mais chocantes da minha vida". A afirmação foi feita, nesta sexta-feira (27/8) pelo decano do Supremo Tribunal Federal e presidente do TSE, ministro Sepúlveda Pertence, ao comentar a passagem dos 24 anos da explosão da bomba na sede da OAB.

“Acabara de almoçar com amigos, o presidente do Conselho Federal da OAB, Eduardo Seabra Fagundes, estava fora do Rio de Janeiro, quando cheguei ao prédio onde funcionava a sede da Ordem dos Advogados do Brasil, na avenida Marechal Câmara, e notei que havia um movimento anormal. Custei a acreditar no que me disseram: uma bomba explodira nas mãos de dona Lida, uma antiga funcionária da entidade. Minutos antes ela havia sido encaminhada para o hospital em estado gravíssimo onde veio a falecer. O choque foi incrível na medida não só da dor pessoal mas também o que aquilo significava no momento político então vivido pelo país”, relatou Pertence.

E completou: “Claro, já havia uma e outra bomba mas sem vítimas pessoais. Logo depois veio a notícia de que bombas similares haviam sido postas na Câmara Municipal e na Associação Brasileira de Imprensa-ABI. Não tenho como descrever o que se passou naquele dia de agitação, de temores de inquietação. Havia apenas uma razão para exigir do governo federal uma ação conclusiva. Éramos uma entidade federal brutalmente atingida. A reunião se seguiu e a indignação se transformou em cobrança. Deste aquele dia se pode dizer que cresceu a autoridade da OAB para a luta pela retomada do processo democrático".

Revista Consultor Jurídico, 27 de agosto de 2004, 19h22

Comentários de leitores

46 comentários

Realmente observador atento concordo com você, ...

Robson ()

Realmente observador atento concordo com você, "Que país é esse ??? " De um lado Servidores reclamando que precisam comprar papel e carimbos para trabalhar, do outro OAB ingressando com medidas para tentar inibir essa greve, de outro ainda a população que não pode fazer nada a não ser sentir na própria pele o verdadeiro "CERCEAMENTO DE DIREITO", que afronta nossa Constituição, pois segundo alguns servidores nosso Judiciário simplesmente está FALIDO. Enquanto o Congresso Nacional vota um aumento salarial em causa própria... Quanto ao Sr. Clóvis, agora se mostra humilde pedindo desculpas, depois de detonar alguns internautas como por exemplo uma moça que simplesmente deu sua opinião e foi taxada de estar com TPM. LAMENTÁVEL !!!

“PÃO E CIRCO” Sr. Observador de passagem R...

Clovis Bevilaqua ()

“PÃO E CIRCO” Sr. Observador de passagem Robson, Se o Sr. se desse ao trabalho de ler todos os comentários e não somente os mais curtinhos, saberia que não só aceito e respeito, mas também concordo com muitas opiniões, a principio contrárias ao meu ponto de vista. Sinceramente, sempre me esforcei por respeitar a opinião alheia. Mas respeitar não é concordar. Se ofendi alguém, peço, humildemente, minhas desculpas, foi por força da retórica e por usar um vocabulário menos opaco. Na verdade, como já disse, “toda ação provoca uma reação”. Não poderia deixar a classe dos servidores, à qual pertenço com muito orgulho, ser achincalhada por pessoas que não se esforçam o mínimo por entender o verdadeiro problema do Judiciário Paulista. Pense: se um processo demora 10 anos para ser julgado, isso daria 3.650 dias, em média, você acha que 50 ou 60 dias de greve são responsáveis por todo este atraso? Assim sendo, gostaria que os meus comentários também fossem respeitados, se não, ao menos tolerados, pois a tolerância é o principio máximo da sociabilidade. Com relação ao picadeiro, admiro muito a classe circense, obrigado. Mas quem armou o circo não fui eu. Uma vez na arena,só me resta lutar! Eis o marco da barbárie: Serventuários da Justiça e Advogados se digladiando **** P.S. Obrigado, colega Osvaldo.

O respeitável sr Clóvis respeita a opinão dos o...

Servidor ()

O respeitável sr Clóvis respeita a opinão dos outros, tanto que, entra neste site de comentários e debates sempre, quem não aceita um comentário ou que a outra parte debata é que não aceita a opinião dos outros. Quanto as máquinas carimbadoras do primeiro mundo, tem um lado positivo, os funcionários (seres humanos) que trabalharem não precisão mandar fabricar carimbos com dinheiro do próprio bolso, depois de ficarem 11 anos sem aumento de salário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.