Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bola pra fora

Marta é chamada de mimada e não consegue direito de resposta

A prefeita Marta Suplicy não conseguiu direito de resposta no jornal Folha de S. Paulo. O pedido foi negado pelo Tribunal Regional Eleitoral paulista. A candidata à reeleição já recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral.

A notícia da Folha, publicada na edição de 18 de julho, é assinada pelo jornalista Gilberto Dimenstein. Ele fez uma série de críticas à administração de Marta Suplicy. Ela foi chamada de “adolescente mimada, irritadiça, prepotente e sem capacidade de lidar com a frustração”.

Revista Consultor Jurídico, 18 de agosto de 2004, 12h55

Comentários de leitores

7 comentários

Sr. Ailton Carlos Bonassa, vou retribuir a sua ...

André Pessoa ()

Sr. Ailton Carlos Bonassa, vou retribuir a sua gentileza e também lhe dar um conselho gratuito: leia direito o que as pessoas escrevem, especialmente aquelas que o sr. pretende contestar. Eu não preciso abrir os olhos para o mercado de sexo em Belém ou em qualquer lugar. Eu sei perfeitamente que ele existe, e tive a oportunidade de participar de atividades voluntárias de conscientização deste público, especialmente em relação a doenças sexualmente transmissíveis. Eu sei que existe prostituição de menores, mas eu sei também que não existe venda de crinças à luz do dia em Belém, do modo como o sr. Dimenstein afirmou em reportagem tristemente célebre. A matéria é mal apurada, frágil, e realmente falsa. Esse é o padrão do jornalismo dele. Quanto a "beirar a injúria", a frase foi dita num contexto geral do método do sr. Gilberto Dimentein. No contexto específico, ele não beirou a injúria, e sim praticou injúria clara contra a sra. Marta Suplicy.

Ao anômino que pra mim é sinal de covardia e a...

Ton RJ (Administrador)

Ao anômino que pra mim é sinal de covardia e ao Sr. André de belém...um conselho gratuito... um deve aprender a ler...o outro abrir os olhos para o mercado de sexo que atinge lugares de baixa renda em sua terra natal e tantas outras perdidas pelo brasil continental...e quanto a algum comentário de que tal fato beira a injúria...é dificil ler sem rir...beirar não é ser...liberdade de pensamento é feita pra isso...e pra você...mobral...

A sra. Marta Suplicy, ao ter sido derrotada no ...

André Pessoa ()

A sra. Marta Suplicy, ao ter sido derrotada no seu pedido de direito de resposta, sofre pelo fato da injúria ter saído num grande jornal como a Folha de S. Paulo, que embora mal escrito e cheio de matérias mal apuradas, tem uma imagem de "credibilidade" em razão da sua estratégia de "meter o pau em todo mundo". No entanto, acaba sendo um alento para ela que a injúria tenha sido escrita pelo Sr. Gilberto Dimenstein, pois ser atacada por um jornalista de pouca qualidade acaba sendo por vezes um elogio. Lembro-me de uma das primeiras matérias que tornaram o sr. Dimenstein uma "estrela" da Folha: ilustrada por uma foto marcante, ele denunciava a existência de um comércio sexual de crianças à luz do dia em Belém, minha cidade natal (e do jornalista também). A foto mostrava uma menina de rua com uma placa "vende-se" pendurada. Mais tarde, a foto mostrou-se falsa: havia sido uma brincadeira com a menina que dormia, feita por conhecidos, habitantes e trabalhadores da rua. Quem tem dificuldades de apurar corretamente uma notícia, tem que se valer mesmo de adjetivos vazios beirando a injúria. Longe de ser um caso isolado, é apenas um traço característico do sr. Dimenstein, que se estende a seus colaboradores. Quem acessar o site do jornalista pode ver isso facilmente.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.