Consultor Jurídico

Notícias

Acesso livre

Advogados de investigados têm direito de examinar autos

Advogados de investigados têm o direito de examinar os autos independentemente de estarem sob sigilo. O entendimento unânime é da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal. O relator do caso julgado, nesta terça-feira (10/8), foi o ministro Sepúlveda Pertence. É a primeira vez que o STF decide nesse sentido.

O advogado Alberto Zacharias Toron recorreu ao Supremo, depois de três tentativas frustradas na primeira instância, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região e no Superior Tribunal de Justiça. Todas as instâncias entenderam que ele não deveria ter acesso ao inquérito que apura remessa de dólares de Foz do Iguaçu para o exterior através das contas CC5.

Ao deferir o Habeas Corpus, o relator Sepúlveda Pertence apontou a prerrogativa do advogado de acesso aos autos, regulada pelo Estatuto da Advocacia (artigo 7º, inciso XIV, Lei 8.906/94). O dispositivo determina que é direito do advogado examinar, em qualquer repartição policial, mesmo sem procuração, autos de flagrante e de inquérito, ainda que conclusos à autoridade, podendo a defesa do acusado copiar peças e fazer anotações. “Concluo, pois, que, ao advogado do indiciado em inquérito policial, titular do direito de acesso aos autos respectivos – que, na verdade, é prerrogativa de seu mister profissional em favor das garantias do constituinte -, não é oponível o sigilo que se imponha ao procedimento”, disse o ministro.

O ministro argumentou, na decisão, que o sigilo decretado no inquérito pode justificar apenas que o advogado apresente procuração do acusado provando que o está defendendo. Deferiu o HC para que a defesa consulte os autos do inquérito policial e obtenha as cópias que interessar, antes da data de inquirição do investigado

Toron afirmou que “a decisão é importante porque os advogados vão poder exercer com liberdade a defesa dos cidadãos”.

Para o presidente da OAB-SP, o criminalista Luiz Flávio Borges D´Urso, a decisão do STF significa o restabelecimento de um direito fundamental. "Triunfa a lei", afirmou. "Na verdade, o que a lei estabelece é que quando houver decreto de sigilo por autoridade judicial no bojo da ação penal ou o sigilo de investigação estabelecido em lei, isso não pode ser óbice para que o advogado constituido tenha acesso aos autos".

Ultimamente, os advogados estão preocupados com a escalada de arbitrariedades que vêm sendo cometidas contra as prerrogativas da profissão. Os advogados do português Tiago Nunes Hendrish Verdial, que trabalhou para a empresa Kroll Associates, Eduardo Carnelós e Roberto Garcia, continuam sem ter acesso às acusações contra seu cliente. "O pior é que esse tipo de abuso, de exceção está virando prática corriqueira", diz o advogado Luís Guilherme Vieira.

HC nº 82.354

Revista Consultor Jurídico, 10 de agosto de 2004, 16h59

Comentários de leitores

3 comentários

Alberto Toron, realmente, é um orgulho para a a...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Alberto Toron, realmente, é um orgulho para a advocacia paulista e exemplo para a de todo o território nacional. Profissional destemido, injeta todo seu conhecimento jurídico nas demandas, sem se preocupar com o calibre da autoridade que se aventura em arbítrio. Pelos seus tentos, meu caro amigo, particularmente, vejo nossa profissão protegida e nossos atos garantidos. Avante grande escudeiro!

Responder

O Estatuto da Advocacia (artigo 7º, inciso XIV,...

Julio Honório Giancursi dos Anjos ()

O Estatuto da Advocacia (artigo 7º, inciso XIV, Lei 8.906/94) determina que é direito do advogado examinar, em qualquer repartição policial, mesmo sem procuração, autos de flagrante e de inquérito, ainda que conclusos à autoridade, podendo a defesa do acusado copiar peças e fazer anotações. Será possível que somente o MINISTRO SEPÚLVEDA PERTENCE entende o que tal dispositivo significa ??? Será que os integrantes da primeira instância, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e do Superior Tribunal de Justiça, são todos uns ignorantes no assunto, ou fingem que não entendem o que estão lendo para subtrair do advogado prerrogativa que a lei lhe garante ? Qual a razão deste comportamento ? Qual a VERDADEIRA razão deste comportamento ?

Responder

É lamentável que um direito incontestável neces...

Gilberto Aparecido Americo (Advogado Autônomo - Criminal)

É lamentável que um direito incontestável necessite ser reconhecido pelo STF. Aqueles que abusaram da autoridade serão punidos ? Evidentemente que náo. O espírito de corpo mais uma vez prevalecerá. Somente váo dar conta do absurdo de seus atos quando provarem do seu próprio veneno. Gilberto Aparecido Américo advogado

Responder

Comentários encerrados em 18/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.