Consultor Jurídico

Comentários de leitores

10 comentários

Parabéns Gesiel de Souza Rodrigues, pelo corage...

O Federalista (Professor)

Parabéns Gesiel de Souza Rodrigues, pelo coragem e sensatez dos seus comentários. Quanto aos ataques do Sr. Félix Enciclopédico, resta provado o seu despreparo como "autor"!

Caro Sr. Felix Soibelman Chega um dado momen...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

Caro Sr. Felix Soibelman Chega um dado momento em que as posições ficam tão extremadas que as partes envolvidas acabam por não mais saber porque divergem...Talvez esse seja o caso. Minha crítica foi feita no sentido de que a matéria sobre o termo "medalhão" era inadequada e que poderia levar a uma conclusão incorreta sobre a obra. Em meu comentário também fiz questão de destacar que o melhor caminho seria destacar o contéudo científico da obra. Sob minha ótica o artigo sobre o "medalhão" é pifio, inadequado e preconceituoso. Como estamos em um espaço de debates não posso e não vou me furtar a tecer criticas quando assim concluir. Se não está preparado para criticas que não se esponha...As criticas podem até ser duras, contudo, analisando todos os comentários feitos pelos outros leitores vejo que a posição foi uníssona, ou seja, ouve uma desaprovação quanto ao enfoque - veja bem... disse enfoque da matéria o que não se confunde com a qualidade da obra. Acusações recíprocas de falta de elegância reduziram esse debate a mera questiúncula que fugiu completamente do escopo do espaço. Destarte, não me ocuparei mais desse assunto, pois, como dito acima, qualquer coisa que for dita daqui pra frente poderá gerar desnecessário ataque pessoal. Se a obra foi adquirida pelo STJ é ótima indicativo de qualidade. Isso foi dito e reafirmado em meus comentários. Desejo sucesso na comercialização da obra e na consagração da mesma. Como afirmado dou por encerrado a discussão. Ocuparei esse espaço para debates de idéias. Espero que meu combativo contendor também o faça. Saudações cordiais

A/C Sr. Felix Soibelman Com relação a sua re...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

A/C Sr. Felix Soibelman Com relação a sua resposta: 1 - Realmente o verbete comentado "Medalhões" a meu sentir foi preconceituoso, inoportuno, inadequado e pífio para divulgação da obra. Dai minha assertiva "vai do nada a lugar nenhum". Ele generaliza - dai seu aspecto preconceituoso. É inoportuno ante a necessidade de divulgação da obra (levando-se em consideração o público a que se destina), dai decorre sua inadequação. É pífio pois - ainda que esteja adstrito a um verbete de ordem prática - sua inserção nada contribui para uma obra jurídica que se pretenda de tomo. Fico a questionar como o Prof. Gofredo da Silva Telles, certamente um grande "medalhão", cultor de grandes juristas - um grande entre os grandes - se sentiria com relação a tal explicação generalizada. 2 - Se vamos falar de elegância vamos então falar das várias matérias divulgando a enciclopédia. O problema está no enfoque dado. Veja que em meu comentário falo em divulgação salutar do contéudo científico da obra. Ora, dai a fazer publicidade desarrazoada da obra vai uma grande distância e falta de elegância. Não questiono a qualidade da obra e seu 15.000 títulos usados. Questiono a forma como a mesma está sendo divulgada. O comentarista mesmo reconhece o risco que pode resultar de uma indevida divulgação (veja o caso "medalhão"). Ora, se a obra é fruto de aprofundado estudo, esforço e preocupação metodológica, não acho justo com a própria obra e seu autor, que se faça divulgação tão equivocada. Certamente, se a mesma foi adquirida pelo STJ é que qualidade ela tem. O meu comentário vai em outro sentido.... Gostaria que o Sr. Felix respondesse...PRECISAVA FAZER UM ARTIGO SOBRE OS TAIS MEDALHÕES????? PORQUE UM TEMA TÃO INOPORTUNO FOI ESCOLHIDO PARA DIVULGAR A OBRA? É certo e exato - pelo menos assim o vejo - que a escolha foi errada. Se esse é um espaço para debates nada mais justo que aqueles que não concordam exerçam esse direito a critica. 3 - Resposta jocosa - Repilo a contéudo jocoso da resposta dada pelo Sr. Felix quanto ao meu suposto "renome" como crítico. Vejo nisso um ataque despropositado. Elege a grosseria como arma de combate entre homens de letras... Ponto negativo para quem está a divulgar um enciplopédia. 4 - Desejo sucesso na divulgação da obra sob todos os aspectos (financeiros, acadêmicos, etc...) Não me furto da criticar sempre que necessário. Saudações cordiais

Márcio Chaer e equipe, Tenham respeito pelos...

Luiz Eduardo Alves de Siqueira ()

Márcio Chaer e equipe, Tenham respeito pelos leitores da sua revista, não divulgando uma informação que tem toda a aparência de matéria paga ou interessada, sob pena de se desmanchar a credibilidade construída ao longo dos anos. Já não é de hoje que, ao lado de notícias interessantes, Consultor Jurídico tornou-se numa espécie de coluna social do mundo jurídico, entremeadas de propagandas como a desse artigo. Acho que é hora de se aprender com outros sites tão bons ou melhores do que Conjur, tais como Última Instância, Migalhas ou Sunda Hufufuur

A alguns dias atrás foi publicado um artigo sob...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

A alguns dias atrás foi publicado um artigo sobre a figura "medalhão" tendo como base a tal "enciclopedia". A matéria é de uma arridez de causar espécie. Vai do nada ao lugar nenhum. Agora volta o Conjur com a tal notícia sobre a "venda" ou "cortesia" dada aos Ministros do STJ. A manifestação de Felix Soibelman sobre a qualidade da obra é um depoimento "isento". Ora... faça me um favor. O Conjur precisa tornar claro qual a seriedade dessa insistente manifestação pró-enciclopedia Soibelman. Propaganda descarada e inoportuna. Informar o contéudo científico e técnico da obra é medida salutar, dai a fazer propaganda aberta e despropositada vai uma grande distância. Fica consignado minha desaprovação.

Também acompanho do pensamento dos colegas, Drs...

Marcos Moreira Pinto ()

Também acompanho do pensamento dos colegas, Drs. Marco Antônio e Regina. Quanto a CONJUR está levando nessa? Também achei estranho esse tipo de notícia esboçada nesse relevante site. Até entendo que o site precisa de patrocínio para se manter, mas uma notícia altamente tendênciosa como essa é demais.

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. ...

Marco Barreto (Advogado Autônomo)

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. Caldeira. Embora a CONJUR nunca tenha se apresentado como uma revista de "vendas", ao transcrever essa notícia, mais parece que está fazendo propaganda do produto, do qual já me utilizei e acho extremamente útil, posto que realmente, ao que parece, os ministros do STJ ganharam de presente a Enciclopédia eletrônica e não a compraram como alardeado. Assim, dado o peso que pussui um STJ, ao informar seus leitores de que a obra foi adquirida pelos Ministros daquele Tribunal está se fazendo propaganda certa para uma grande alavancagem nas vendas da mesma entre os "operadores do direito". Pergunto: Quanto a CUNJUR está levando de comissão nessa? Pergunto ainda: Caso a obra tenha sido dada aos Ministros do STJ teriam os mesmos o "direito" de receberem presentes de Editoras cujas eventuais causas poderão vir a julgarem no futuro? Viva o Brasil!!!

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. ...

Marco Barreto (Advogado Autônomo)

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. Caldeira. Embora a CONJUR nunca tenha se apresentado como uma revista de "vendas", ao transcrever essa notícia, mais parece que está fazendo propaganda do produto, do qual já me utilizei e acho extremamente útil, posto que realmente, ao que parece, os ministros do STJ ganharam de presente a Enciclopédia eletrônica e não a compraram como alardeado. Assim, dado o peso que pussui um STJ, ao informar seus leitores de que a obra foi adquirida pelos Ministros daquele Tribunal está se fazendo propaganda certa para uma grande alavancagem nas vendas da mesma entre os "operadores do direito". Pergunto: Quanto a CUNJUR está levando de comissão nessa? Pergunto ainda: Caso a obra tenha sido dada aos Ministros do STJ teriam os mesmos o "direito" de receberem presentes de Editoras cujas eventuais causas poderão vir a julgarem no futuro? Viva o Brasil!!!

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. ...

Marco Barreto (Advogado Autônomo)

Comungo com a opinião da colega, Dr. Regina S. Caldeira. Embora a CONJUR nunca tenha se apresentado como uma revista de "vendas", ao transcrever essa notícia, mais parece que está fazendo propaganda do produto, do qual já me utilizei e acho extremamente útil, posto que realmente, ao que parece, os ministros do STJ ganharam de presente a Enciclopédia eletrônica e não a compraram como alardeado. Assim, dado o peso que pussui um STJ, ao informar seus leitores de que a obra foi adquirida pelos Ministros daquele Tribunal está se fazendo propaganda certa para uma grande alavancagem nas vendas da mesma entre os "operadores do direito". Pergunto: Quanto a CUNJUR está levando de comissão nessa? Pergunto ainda: Caso a obra tenha sido dada aos Ministros do STJ teriam os mesmos o "direito" de receberem presentes de Editoras cujas eventuais causas poderão vir a julgarem no futuro? Viva o Brasil!!!

Eles "adquiriram" ou "ganharam" o dicionário? ...

Regina Caldeira (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Eles "adquiriram" ou "ganharam" o dicionário? O sentido é diferente. Se "adquiriram" tem um sentido de que compraram ou que adotaram o dicionário. Mas se a editora "distribuiu" é diferente, não acham? Não quer dizer que adoraram ou vão usar o dicionário... que pode até mesmo ir pro fundo da gaveta. Nada contra: de minha parte, acho o dicionário muito bom e tenho a versão demo instalada aqui. Só achei a notícia estranha, tendênciosa... Ao contrário do que sempre vejo aqui no Conjur.

Comentar

Comentários encerrados em 14/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.