Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Obra virtual

STJ adquire enciclopédia jurídica para seus ministros

O Superior Tribunal de Justiça distribuiu entre seus ministros um dicionário jurídico com mais de 36 mil verbetes, incluindo indicações bibliográficas, temas de filosofia, sociologia, história, literatura e vários outros ramos do conhecimento que tangenciam o Direito.

O conteúdo da nova versão da Enciclopédia Jurídica Soibelman, de autoria de Leib Soibelman, está condensado em CD-ROM. Na versão eletrônica, o software foi desenvolvido por Márcio Girão Barroso, responsável por dicionários e enciclopédias eletrônicas como Aurélio, Barsa, Webster e outros, com a participação dos analistas Mauro Bottino e Paulo André Pereira Biscainho.

Para Félix Soibelman, editor e atualizador da obra, “se a obra já tinha renome, pela opinião favorável de juristas de primeira grandeza, agora ganha mais reconhecimento como ferramenta destinada aos ministros da Suprema Corte Infraconstitucional do país, de onde emanam decisões que norteiam questões capitais na vida econômica, jurídica e moral da nação”.

Clique aqui para obter mais informações

Revista Consultor Jurídico, 6 de agosto de 2004, 18h11

Comentários de leitores

10 comentários

Parabéns Gesiel de Souza Rodrigues, pelo corage...

O Federalista (Professor)

Parabéns Gesiel de Souza Rodrigues, pelo coragem e sensatez dos seus comentários. Quanto aos ataques do Sr. Félix Enciclopédico, resta provado o seu despreparo como "autor"!

Caro Sr. Felix Soibelman Chega um dado momen...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

Caro Sr. Felix Soibelman Chega um dado momento em que as posições ficam tão extremadas que as partes envolvidas acabam por não mais saber porque divergem...Talvez esse seja o caso. Minha crítica foi feita no sentido de que a matéria sobre o termo "medalhão" era inadequada e que poderia levar a uma conclusão incorreta sobre a obra. Em meu comentário também fiz questão de destacar que o melhor caminho seria destacar o contéudo científico da obra. Sob minha ótica o artigo sobre o "medalhão" é pifio, inadequado e preconceituoso. Como estamos em um espaço de debates não posso e não vou me furtar a tecer criticas quando assim concluir. Se não está preparado para criticas que não se esponha...As criticas podem até ser duras, contudo, analisando todos os comentários feitos pelos outros leitores vejo que a posição foi uníssona, ou seja, ouve uma desaprovação quanto ao enfoque - veja bem... disse enfoque da matéria o que não se confunde com a qualidade da obra. Acusações recíprocas de falta de elegância reduziram esse debate a mera questiúncula que fugiu completamente do escopo do espaço. Destarte, não me ocuparei mais desse assunto, pois, como dito acima, qualquer coisa que for dita daqui pra frente poderá gerar desnecessário ataque pessoal. Se a obra foi adquirida pelo STJ é ótima indicativo de qualidade. Isso foi dito e reafirmado em meus comentários. Desejo sucesso na comercialização da obra e na consagração da mesma. Como afirmado dou por encerrado a discussão. Ocuparei esse espaço para debates de idéias. Espero que meu combativo contendor também o faça. Saudações cordiais

A/C Sr. Felix Soibelman Com relação a sua re...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

A/C Sr. Felix Soibelman Com relação a sua resposta: 1 - Realmente o verbete comentado "Medalhões" a meu sentir foi preconceituoso, inoportuno, inadequado e pífio para divulgação da obra. Dai minha assertiva "vai do nada a lugar nenhum". Ele generaliza - dai seu aspecto preconceituoso. É inoportuno ante a necessidade de divulgação da obra (levando-se em consideração o público a que se destina), dai decorre sua inadequação. É pífio pois - ainda que esteja adstrito a um verbete de ordem prática - sua inserção nada contribui para uma obra jurídica que se pretenda de tomo. Fico a questionar como o Prof. Gofredo da Silva Telles, certamente um grande "medalhão", cultor de grandes juristas - um grande entre os grandes - se sentiria com relação a tal explicação generalizada. 2 - Se vamos falar de elegância vamos então falar das várias matérias divulgando a enciclopédia. O problema está no enfoque dado. Veja que em meu comentário falo em divulgação salutar do contéudo científico da obra. Ora, dai a fazer publicidade desarrazoada da obra vai uma grande distância e falta de elegância. Não questiono a qualidade da obra e seu 15.000 títulos usados. Questiono a forma como a mesma está sendo divulgada. O comentarista mesmo reconhece o risco que pode resultar de uma indevida divulgação (veja o caso "medalhão"). Ora, se a obra é fruto de aprofundado estudo, esforço e preocupação metodológica, não acho justo com a própria obra e seu autor, que se faça divulgação tão equivocada. Certamente, se a mesma foi adquirida pelo STJ é que qualidade ela tem. O meu comentário vai em outro sentido.... Gostaria que o Sr. Felix respondesse...PRECISAVA FAZER UM ARTIGO SOBRE OS TAIS MEDALHÕES????? PORQUE UM TEMA TÃO INOPORTUNO FOI ESCOLHIDO PARA DIVULGAR A OBRA? É certo e exato - pelo menos assim o vejo - que a escolha foi errada. Se esse é um espaço para debates nada mais justo que aqueles que não concordam exerçam esse direito a critica. 3 - Resposta jocosa - Repilo a contéudo jocoso da resposta dada pelo Sr. Felix quanto ao meu suposto "renome" como crítico. Vejo nisso um ataque despropositado. Elege a grosseria como arma de combate entre homens de letras... Ponto negativo para quem está a divulgar um enciplopédia. 4 - Desejo sucesso na divulgação da obra sob todos os aspectos (financeiros, acadêmicos, etc...) Não me furto da criticar sempre que necessário. Saudações cordiais

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.