Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

1º de maio

OAB afirma que governo deve desculpas ao trabalhador

O presidente nacional da OAB, Roberto Busato, afirmou que o governo deve desculpas aos trabalhadores brasileiros neste 1º de maio -- Dia do trabalhador. “Desculpas pela pressa em atender, em primeiro lugar, aos credores internacionais que se fartam em banquetes, relegando a um plano inferior a mesa das famílias miseráveis que se multiplicam internamente”, disse.

Lembrando o novo salário mínimo de R$ 260 anunciado pelo governo, o presidente da OAB lamentou que os dirigentes políticos do país “saibam ler tão bem os rigorosos contratos em língua estrangeira, mas não enxergam as letras da nossa Constituição, que em bom português diz que a renda mínima dos trabalhadores urbanos e rurais deve atender às suas necessidades básicas e às de sua família”.

Leia a manifestação do presidente nacional da OAB

O GOVERNO DEVE DESCULPA AO TRABALHADOR

Neste 1º de Maio, a Ordem dos Advogados do Brasil vem a público manifestar a sua solidariedade com a classe trabalhadora, sobretudo com os milhões de trabalhadores cujos rendimentos, à custa de muito suor, não lhes oferecem condições para uma sobrevivência digna.

Os dirigentes políticos deste País, por sua vez, devem desculpas a esse enorme contingente de mulheres e homens trabalhadores. Desculpas pela pressa em atender, em primeiro lugar, aos credores internacionais que se fartam em banquetes, relegando a um plano inferior a mesa das famílias miseráveis que se multiplicam internamente.

Desculpas, sobretudo, por saberem ler tão bem os rigorosos contratos em língua estrangeira que nos impõem essa submissão, e não enxergarem as letras da nossa Constituição, que em bom português diz que a renda mínima dos trabalhadores urbanos e rurais deve atender às suas necessidades básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social. Em nome do bem-estar alheio, nos tornamos, infelizmente, um País inconstitucional. (OAB)

Revista Consultor Jurídico, 30 de abril de 2004, 19h32

Comentários de leitores

8 comentários

E pensar que o PT de sua excelência o President...

Silvio Juliano Luchi ()

E pensar que o PT de sua excelência o Presidente Lula e o próprio, tanto combateram os governos anteriores que reajustavam o salário mínimo sempre por baixo. Tal falácia tinha um único objetivo - o poder.

Não foi só essa a surpresa do presidente no 1º ...

Luciano Henrique Diniz Ramires (Professor)

Não foi só essa a surpresa do presidente no 1º de Maio. A tão esperada correção da tabela do IR também foi mencionada pelo Sr. presidente, mas até agora nada. Vamos continuar esperando...

concordo com Sr. Bernardi, principalmente ao fi...

Caparrós (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

concordo com Sr. Bernardi, principalmente ao final de seu comentário, "não sei mais o quê". O Próprio governo não sabe o que fazer (que dirá os eleitores de seu partido), além de olhar para traz e se vangloriar com os números lindos (ao ignorantes). Quem os causou, o governo ou a recessão? Baixa nos juros e quieda na inflação nem sempre são sinal de avanço, principalmente se com tudo isso não se produz emprego. Quem é rico fica estagnado e quem é pobre sobrevive, como sempre foi obrigado a fazer, mas, e a classe média? Santa classe média pagadora de impostos, Amém...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/05/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.