Consultor Jurídico

Sinal verde

Vidigal suspende decisão que impedia obras do Metrô de SP

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal, suspendeu a liminar concedida pela Justiça paulista que impedia as obras para a construção da linha 4 do Metrô paulista. Com a decisão, o Governo de São Paulo e a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) já podem retomar a plena execução do contrato.

Na prática, a decisão permite que o Estado e o Metrô possam iniciar as obras até que a Quinta Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo julgue o mérito do mandado de segurança impetrado por um dos consórcios concorrentes.

O Metrô divulgou edital referente à concorrência internacional para a implantação da linha 4 do sistema metroviário de São Paulo. O projeto prevê a construção das obras civis, via e sistemas de aproximadamente 12,8 km, incluindo cinco estações de 132m cada, cinco poços de ventilação, 11,5km de túneis e um pátio de manutenção e estacionamento de trens. Para a realização das obras, o governo estadual celebrou contrato com o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird).

Segundo informações do Metrô, a linha 4 – Amarela tem seu percurso todo subterrâneo, desde a Estação Luz até a Vila Sônia, constituindo-se em uma rota de integração com as demais linhas metroviárias e com a linha 7 – Celeste da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM e integra-se com a linha 1-Azul na Estação Luz; com a linha 3 – Vermelha na Estação República; com a linha 2 – Verde na Estação Consolação e com a linha 7 – Celeste da CPTM na Estação Pinheiros, junto à Marginal Leste do rio Pinheiros.

Em junho de 2003, foram classificados, pelo menor preço, para os lotes 1 e 2, o Consórcio Linha Amarela e, para o lote 3, o Consórcio Camargo Corrêa/Andrade Gutierrez/Siemens; em segundo lugar, o Consórcio Hochtief/T’Trans/Pem/Schneider Eletric. Em terceiro lugar, para o lote 3, ganhou o Consórcio Mendes/Baufour Beauty. Ele impugnou a decisão, mas não conseguiu suspender os efeitos do contrato administrativo celebrado entre o consórcio vencedor e o Metrô, o que o levou a fazer nova tentativa, dessa vez vitoriosa. O 4º vice-presidente do TJ paulista concedeu liminar ao consórcio suspendendo a eficácia do contrato, decisão mantida por magistrado da 3ª Câmara de Direito Público do TJ.

É contra essa decisão que o governo paulista e o Metrô recorrem no STJ. Segundo afirmam, para implantação desse projeto, o governo estadual celebrou contrato de empréstimo com o Bird, devendo obedecer às regras e aos procedimentos estabelecidos nas “Guidelenes: Procuremente under IBRD Ioans and IDA credita”, conforme a Lei das Licitações brasileira (8.666/93) e lei estadual.

A não-utilização do financiamento pode acarretar ao Governo ter o valor do contrato reajustado, encarecendo a obra e atrasando sua entrega, o que por si só gera grave lesão à economia pública. Além disso, o preço oferecido pelo Consórcio Mendes/Baufour Beauty excede em R$ 20 milhões o preço ofertado pelo vencedor da concorrência. Sustentam o governo e a companhia metropolitana ser do interesse dos cidadãos paulistas a execução do contrato sem mais demora, por se destinar à construção de importante linha do metrô, que irá beneficiar toda a população da Grande São Paulo e desafogar o caótico trânsito local.

Dessa forma, o perigo da demora da decisão seria inverso: em vez de prejudicar o consórcio, prejudica o Estado. Isso porque o eventual prejuízo gerado ao consórcio é perfeitamente indenizável, mas a lesão causada ao governo do estado e ao interesse público é irreparável em razão das normas do financiamento pelo Bird, que estão obrigados a assumir no contrato que tem execução prevista em prazo não superior a 120 dias contados da data de sua assinatura, sob pena de ter seu valor reajustado.

Edson Vidigal entendeu merecer ser deferido o pedido para suspender os efeitos da liminar concedida pelo Judiciário paulista. A seu ver, não há como não reconhecer os requisitos a autorizar a suspensão (grave lesão à economia e à ordem públicas). Está presente – acredita o ministro – a potencialidade de lesão “à economia pública, agravada, também, com o induvidoso desemprego que o atraso no início das obras pode acarretar”.

Dessa forma, deferiu parte do pedido feito pelo governo paulista e pelo Metrô para suspender a decisão do quarto vice-presidente do TJ até efetivo julgamento do mérito pela Quinta Câmara daquele tribunal. “Tudo de modo a que o estado de São Paulo e a Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô possam retomar a plena execução do contrato, até então suspenso em decorrência da liminar, que agora suspendo”. (STJ)

SS 1.343




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 23 de abril de 2004, 17h31

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/05/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.