Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Boca no trombone

Advogados querem melhores condições de trabalho no TRT paulista

Os advogados trabalhistas de São Paulo querem cadeiras para sentar nas salas de audiências do TRT paulista, monitores de computadores e mais servidores para o atendimento das partes.

As reivindicações estão contidas no ofício encaminhado pelo advogado Eli Alves da Silva, ex-presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo, ao presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D'Urso.

Leia o pedido feito pelo advogado

São Paulo, 19 de abril de 2004.

Ao

Excelentíssimo Senhor

Dr. Luiz Flávio Borges D’urso

DD. Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil,

Seccional de São Paulo.

Senhor Presidente.

A título de contribuição, preocupados com as questões relativas a atividade do exercício profissional dos advogados trabalhistas, tomamos a liberdade de apresentar as sugestões abaixo, para que sejam reivindicadas, por intermédio de Vossa Excelência, junto a Direção do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, ou sejam:

1 – Da instalação de Monitor de Computador para Advogados e Partes nas Salas de Audiências

Quando da informatização das Varas do Trabalho, época em que a Seccional da OAB/SP era presidida pelo saudoso Dr. Guido Antonio Andrade e o Egrégio Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região foi presidido pelo Dr. Rubens Tavares Aidar, foram, inicialmente, instalados dois monitores em cada sala de audiências, os quais eram destinados: um para o Juiz e outro para os advogados e partes. Este último, com a finalidade de acompanhamento de tudo que estava sendo digitado na ata de audiência. Com o passar do tempo, a maioria dos Juízes, passou a determinar que o referido monitor viesse a ser utilizado por seu auxiliar de audiência. Com isso, os advogados foram perdendo esse grande e valioso instrumento de trabalho.

Em reunião com a Presidenta do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, Juíza Maria Aparecida Pelegrina, teve lugar “Audiência Pública”, realizada em 19.02. p.p., onde foram tratados vários assuntos. Este advogado, ora subscritor, naquela oportunidade, reivindicou que no novo Prédio fossem reinstalados os monitores destinados aos advogados e partes. A Sra. Presidenta, determinou à sua assessoria, que anotasse tal fato para que fossem tomadas providências.

Ocorre que, já em funcionamento algumas Varas do Trabalho no Prédio novo, percebemos que foram instalados modernos equipamentos de informática, porém, nenhum destinado aos advogados e partes.

Diante disso e, tendo em vista a importância da instalação desses monitores em cada Vara do Trabalho, solicitamos empenho de Vossa Excelência, para que os advogados trabalhistas venham a ter acesso a esse importante instrumento de trabalho e, além disso, para que não percamos o que já havia sido conquistado pela nossa Classe.

2 – Da Instalação de Cadeiras para Advogados nas Salas de Audiências

Ainda, pudemos perceber que, nas salas de audiências, do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, foram instaladas somente 06 (seis) cadeiras, as quais, evidentemente, são destinadas às testemunhas. Isso, sem sombra de dúvidas, impedirá o advogado de sentar-se, nem só enquanto aguarda sua audiência, bem como quando tiver necessidade de manusear o processo, para sua realização.

Assim sendo, sugerimos que Vossa Excelência reivindique junto à Direção do E. TRT-2ª Região, a instalação de maior número de cadeiras que deverão ser destinadas aos advogados, pois isso, além de ser necessário para o exercício profissional, também, demonstrará preocupação com a dignidade do advogado trabalhista, pois, caso contrário, o advogado deverá aguardar sua audiência na sala de espera destinada às partes e testemunhas, ou ainda, ficar em pé nos corredores.

3 – Da Unificação dos Períodos de Realização das Audiências e o Atendimento das Secretarias das Varas do Trabalho

Atualmente, o período de atendimento das Secretarias das Varas ocorre entre 11:30 às 18:00 horas, enquanto que, a critério dos Juízes, as audiências são marcadas a partir das 8:30 horas. Destarte, os advogados são obrigados a comparecer às audiências, exclusivamente, quando marcadas para horário anterior ao do atendimento das Secretarias, não podendo ter acesso a qualquer outro processo, ainda que em andamento na mesma Vara. Essa situação torna-se, é ainda mais grave, para os advogados que têm seus escritórios instalados em locais mais distantes, ou mesmo em outras cidades.

Assim, faz-se necessário a unificação do período de atendimento das Secretarias das Varas com os de realização das audiências, como ocorria em passado recente, ou seja, das 8:30 às 18:00 horas, objetivando ganho de tempo dos advogados no seu exercício profissional.

4 – Da Insuficiência do Número de Servidores para Atendimento aos Advogados e Partes

É público e notório que o número de servidores destinados ao atendimento de advogados, partes e execução dos serviços de Secretaria é insuficiente, trazendo como conseqüência, além de longas filas, perda de tempo, também contribuindo para a morosidade no andamento dos processos, tais como: autuações, expedição de notificações, mandados judiciais, etc.

Sabemos que, parte da solução desses problemas pode ser minimizada pela própria direção do E. TRT, com o remanejamento do pessoal, porém, reconhecemos também que, o número de servidores da Justiça do Trabalho em São Paulo é insuficiente, portanto, é necessário o empenho político da OAB, das Associações que integram advogados, além da AMATRA e do próprio Tribunal, para que juntos tenham sucesso na contratação de novos servidores.

Isto posto, Sr. Presidente, aguardamos o empenho de Vossa Excelência, para que tais reivindicações venham a ser atendidas.

Por oportuno, renovamos nosso espírito de estima e consideração, colocando-nos à disposição para eventuais esclarecimentos ou demais informações que Vossa Excelência julgar necessários.

Atenciosamente,

ELI ALVES DA SILVA

Advogado – OAB/SP – Nº 81.988

Ex-Presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2004, 16h43

Comentários de leitores

4 comentários

No momento em que a Justiça do Trabalho inaugur...

Luiz Edmundo Marrey Uint ()

No momento em que a Justiça do Trabalho inaugura seu novo Forum, oportuna a manifestação do Dr. Eli Alves da Silva para que os advogados sejam tratados com a dignidade e respeito que constitucionalmente estão revestidos por sua indispensabilidade na administração da Justiça. E que o TRT não venha dizer que não tem verba para os monitores, cadeiras, etc.... Parabéns ao Dr. Eli pela iniciativa, o que mostra a sua constante preocupação com os problemas que nos afligem no dia-a-dia. Luiz Edmundo Marrey Uint - Advogado em São Paulo.

Concordo com as sugestões feitas pelo colega Dr...

Nelson Pompeu (Advogado Autônomo)

Concordo com as sugestões feitas pelo colega Dr. Eli Alves da Silva, sempre preocupado com as melhores condições de trabalho dos advogados. Em especial, quero consignar, que a questão das audiências matutinas é realmente preocupante, pois além de nos afastar do escritório, em período que costumeiramente era destinado ao atendimento de clientes, trás os riscos do atraso que estamos sujeitos pelo caótico trânsito da capital paulista, o qual também se estende às partes. Diante das novas instalações do Fórum Trabalhista, não vejo motivos para a continuidade da marcação das audiências no período da manhã, sem que pelo menos, as Secretarias atendam também nesse horário. Nelson Camargo Pompeu (OAB/SP-52611)

Além de concordar plenamente com o pedido de no...

Raquel Batistuci de Souza Nincao (Advogado Autônomo - Civil)

Além de concordar plenamente com o pedido de nosso nobre colega, entendo também que deve ser determinado maior empenho no sentido de se cumprir os horários determinados para as audiências, duas, três horas de atraso, são no mínimo um desrespeito aos advogados e às partes. Eu mesma, depois de aguardar cerca de três horas, fui ao banheiro e ao retornar minha audiência tinha sido chamada, as partes ingressaram na sala sem mim e eu tomei "bronca" da juíza. Ou seja, além de aguardar três horas, não tinha sequer o direito de ir ao banheiro. Raquel

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.