Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bandeira branca

Radicalismo no campo pode gerar retrocesso, afirma Busato.

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, ressaltou nesta quarta-feira (7/4) sua preocupação com a crescente onda de tensão no campo e com a falta de uma ação mais efetiva do governo federal para evitar que o radicalismo promova um retrocesso na política de assentamentos dos sem-terra.

Para Busato, o Brasil não pode reproduzir, em seu momento social mais crítico, um cenário igual ao que antecedeu o golpe militar de 1964, com os radicalismos dos movimentos sociais enfraquecendo o governo e permitindo reações extremadas nos setores mais reacionários. "O radicalismo, na prática, vinha de todos os lados", disse.

O presidente da Ordem considera preocupante ouvir as declarações do ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, de que "o campo está em paz", ao mesmo tempo em que toda a mídia apresentava imagens de integrantes do MST empunhando bandeiras e foices, em clara manifestação de conflito.

"Algo está errado", afirmou Busato, ao lembrar que as palavras do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo as quais a reforma agrária não se fará no grito, levam a sociedade aguardar medidas concretas no campo a curto prazo. "No meu entender, o radicalismo se dá pela ação de um lado e pela omissão de outro", afirmou.

Esta semana, o presidente da OAB divulgou artigo ao governo e ao MST que tenham serenidade neste momento de negociação. Para ele, chegou a hora de o governo dar um passo positivo para levar a paz ao campo.

"Na outra ponta, o MST também deve ter serenidade para perceber que não é por meio do radicalismo que conseguirá resolver essa situação, infelizmente uma herança da época das capitanias hereditárias", afirmou. "A questão agrária brasileira, sobretudo quando envolve a posse da terra, é bastante sensível, e basta um movimento errado para se acender um rastilho de pólvora", concluiu Busato. (OAB)

Revista Consultor Jurídico, 7 de abril de 2004, 15h09

Comentários de leitores

3 comentários

Busatto - Cuide mais da OAB, de seus filiados (...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório)

Busatto - Cuide mais da OAB, de seus filiados (advogados) e da moralização de nossa Justiça. Deixe a política de lado. O problema do MST é do Congresso e do Poder Executivo. Ao Judiciário caberá decidir quem tem razão: os que tem terra e os que não tem terra.

familias

Ido Kaltner (Advogado Assalariado)

familias

Eu até hoje não entendí a ação do MST. Queira a...

Ido Kaltner (Advogado Assalariado)

Eu até hoje não entendí a ação do MST. Queira alguém me explicar por favor. Pelo que sei, o MST é uma instituição mantida pelo governo federal com o intuito de distribuir familia nos campos. As invasões fazem parte do procedimento do MST? Quais são as regras afinal?

Comentários encerrados em 15/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.