Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bocada do Leão

Brasileiro trabalhou 4 meses e 15 dias para pagar impostos, em 2003.

O presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Gilberto Luiz Amaral, afirmou que a carga tributária brasileira em relação ao PIB cresceu 0,27 ponto percentual, passando de 35,84% em 2002, para 36,11% em 2003. Em outras palavras, o brasileiro trabalhou 4 meses e 15 dias somente para pagar os tributos, três dias a mais do que em 2002. Os dados se baseiam em números do IBGE.

Para Amaral, a carga não cresceu ainda mais por causa do elevado índice de inadimplência verificado no decorrer do ano, que aumentou em cerca de R$ 30 bilhões. "Se não houvesse o aumento da inadimplência, a carga tributária brasileira teria atingido o impressionante índice de mais de 38% em relação ao PIB”, ressaltou.

Outra observação do presidente do IBPT diz respeito à transformação de receitas atípicas ou extraordinárias em receitas ordinárias. Só em 2003, o governo federal arrecadou R$ 10,6 bilhões a menos de receitas extraordinárias, não tendo queda deste mesmo valor.

“As receitas foram transformadas em permanentes com o aumento de vários tributos como o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) sobre os assalariados, contribuição previdenciária, PIS, Cofins e Contribuição Social Sobre o Lucro (CSLL)”. Para Amaral, o governo federal sobrecarregou ainda mais o fardo tributário pago pelas pessoas físicas e empresas. (De León Comunicações)

Revista Consultor Jurídico, 1 de abril de 2004, 17h08

Comentários de leitores

5 comentários

A questão não está simplesmente ligada ao índic...

kako (Estudante de Direito - Ambiental)

A questão não está simplesmente ligada ao índice quantitativo. Salvo melhor juízo, o Brasil possui a segunda maior carga tributário do mundo, perdendo apenas para a Suécia. Ao contrário do país nórdico, que possui serviços públicos de primeira, os frutos da arrecadação brasileira são dé péssima qualidade, conforme se vê no dia-a-dia do brasileiro, que padece com a má gestão dos recursos público nos setores de transporte, saúde, educação, moradia, etc... A classe baixa fica na fila, a classe média paga de novo, só que desta vez para a iniciativa privada.

O nosso respeitável governo, vem através dos se...

José André de Lucena Araújo ()

O nosso respeitável governo, vem através dos seus atos, demonstrar um governo do continuismo. Continuismo de um governo que tentamos modificar através do nosso sulfrágio (voto). Os elevados índices de aumento dos impostos vem onerando em demasia os contribuintes, com conseguência disso, verificamos uma diminuição real no poder aquisitivo da população. Portanto, o texto acima, contendo as afirmações de que, a população trabalha quatro meses e quinze dias, demonstra o estado de confisco vivenciado pelo povo brasileiro, que ainda, contribui com projetos como, O FOME ZERO entre outros, não querendo desmerecer tais projetos, mais apenas, informar, que o povo brasileiro além de pagar altos impostos, participa na possibilidade de suas condições com os projetos do governo, recebendo em troca, aumentos de impostos.

E não pode o povo se esquecer que esse (des)gov...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

E não pode o povo se esquecer que esse (des)governo que aí está, queria aumentar as alíquotas do IR de 15% para 25% e de 27,5% para 32%, sem, contudo, fazer a correção da tabela. Salário é renda, ou contraprestação pelo trabalho prestado ao empregador??

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.