Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em alta

Advogada iraniana ganha o Prêmio Nobel da Paz

A advogada iraniana Shirin Ebadi, 56 anos, ganhou o Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho na defesa dos direitos humanos e na promoção da democracia. Ela é a 11ª mulher a conquistar o prêmio desde 1901. A notícia foi publicada nesta sexta-feira (10/10) na Folha Online.

Durante o anúncio do prêmio de US$ 1,32 milhão, o Comitê Nobel afirmou que "como advogada, juíza, professora, escritora e militante, [Ebadi] atuou claramente e com decisão em seu país, Irã, e muito mais além de suas fronteiras".

Ebadi é a primeira muçulmana a ser distinguida com o prêmio. Ela foi escolhida entre um grupo de 165 candidatos, entre eles o papa João Paulo 2º, o ex-presidente tcheco Vaclav Havel e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A advogada defende a reforma do islamismo e é partidária de uma nova interpretação da lei islâmica em harmonia com os direitos humanos, como a democracia, a igualdade ante a lei, a liberdade de religião e de expressão. Como juíza, participou de processos muito controversos no Irã e defendeu familiares de escritores e intelectuais assassinados entre 1999 e 2000.

Em 1974, Ebadi foi a primeira mulher a tornar-se juíza no Irã, mas teve de deixar o cargo depois da Revolução Islâmica de 1979. Os dirigentes religiosos decretaram na época que as mulheres eram emotivas demais para dirigir um tribunal.

Posteriormente, ela atuou na defesa dos direitos das mulheres e das crianças em uma sociedade muçulmana ultraconservadora e dava ajuda jurídica às pessoas perseguidas, apesar das ameaças que sofria das autoridades. (Com agências internacionais)

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2003, 9h47

Comentários de leitores

1 comentário

Parabéns à colega iraniana. Só não dá pra ente...

Marcelo Antonio Alves ()

Parabéns à colega iraniana. Só não dá pra entender o que a notícia diz... que como juíza ela defendeu familiares de jornalistas assassinados.

Comentários encerrados em 18/10/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.