Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quarta-feira, 1º de outubro.

Primeira Leitura: povo ligou desconfiômetro em relação ao governo.

É a economia, Lula!

O povo ligou o desconfiômetro em relação ao governo do PT. Ao longo dos nove meses de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência da República, a população foi trocando "o elevado otimismo" reinante por "uma postura mais apreensiva em relação à economia".

Mesmos desejos

Essa avaliação está na pesquisa trimestral da CNI/Ibope divulgada ontem, em Brasília, e que traz um sintomático sinal de alerta para o Planalto: o eleitor, que na campanha derrotou o governo FHC e o candidato José Serra (PSDB) por querer mais emprego e melhora da renda, mantém intactas essas cobranças ao governo Lula. E começa a desconfiar dos resultados.

Emprego, emprego...

A principal tarefa do governo, disseram 52% dos entrevistados pelo Ibope, deve ser "promover o crescimento e o emprego", seguida da "melhora dos salários", para 25% dos entrevistados. A população começa a debitar na conta do PT os cerca de 600 mil desempregos criados nos cinco primeiros meses do ano.

Pessimismo

Segundo o Ibope, cresceu o número dos entrevistados crentes de que o desemprego vai aumentar -- 49% em setembro, de 42%, em junho. Aumentaram também os que acreditam em diminuição da renda geral do brasileiro, de 22%, em junho, para 25% em setembro.

Fala, garoto!

A aprovação do governo Lula e do próprio presidente mantém-se elevada, mas a desaprovação cresce. Segundo a pesquisa trimestral CNI/Ibope, o saldo positivo (aprovação menos desaprovação) do governo em março, que era de 62%, caiu para 52% em junho e 45% em setembro. A pior avaliação é feita pelos mais jovens.

Enquanto isso...

O BC reviu para baixo a previsão de crescimento do PIB em 2003, de 1,5% para 0,6%, segundo o relatório trimestral de inflação divulgado ontem. A estimativa é inferior a do mercado financeiro, que prevê crescimento de 0,74%.

Cenas de...

Em clima de guerra fiscal, os 27 governadores se reuniram nesta terça com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar da reforma tributária e da gestão unificada dos programas sociais. O clima foi de total desentendimento, causado pela "guerra fiscal" entre os Estados, iniciada pela governadora fluminense, Rosinha Garotinho (PMDB).

...Uma guerra pública

O governador mineiro, Aécio Neves (PSDB), que, na véspera, havia assinado três decretos com benefícios para empresas que se instalarem no Estado, criticou a "farra fiscal" e classificou sua atitude como "medida reativa". O alagoano Ronaldo Lessa (PSB) reagiu às declarações do colega e afirmou que a região Sudeste é a principal culpada pela "guerra fiscal" no país. Outro tucano, o governador do Ceará, Lúcio Alcântara, classificou a reforma como um "samba do crioulo doido"

Assim falou... José Genoino

"O que não falta é foto dos candidatos com o presidente, palanque com o presidente. É natural. Vamos fazer campanha com o Lula."

Do presidente do PT, José Genoino, deixando claro qual será a estratégia do partido para as eleições de 2004. "Nossa vontade é crescer", disse Genoino, ressaltando que não cometerá o mesmo erro de 1998, quando tentou nacionalizar as eleições.

Assim falou... Alexandre Schwartsman

"[É um ] seguro-saúde para uma família saudável"

Do diretor indicado para a área de Assuntos Internacionais do Banco Central, durante a sabatina do Senado que aprovou seu nome por 21 votos a três. Referia-se à possibilidade de um acordo do Brasil com o FMI. O país espera que o Fundo aceite doenças pré-existentes...

Está escrito

Alexandre Schwartsman, o novo diretor de Assuntos Internacionais do BC, já teve de engolir o que escreveu mais de uma vez. No fim do ano passado, ao comentar a indicação de Henrique Meirelles para o BC, Schwartsman escreveu um artigo em que colocava em dúvida a reputação deste como ardoroso defensor do combate à inflação. Depois de ser convidado para o BC, teve de escrever um mea culpa. Em um de seus últimos relatórios no Unibanco, ele escreveu: "Erramos: o real apreciou-se muito mais do que esperávamos"...

Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2003, 9h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/10/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.