Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Serviço rural

Contagem de tempo de serviço rural depende de contribuições

O tempo de serviço rural antes da Lei nº 8.213/91 pode ser utilizado para fins de contagem recíproca, desde que sejam recolhidas as respectivas contribuições previdenciárias, de forma indenizada. Esse foi o entendimento da Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais, que resultou na aprovação de sua nona súmula, em sessão de julgamento terça-feira (30/9).

No pedido de uniformização formulado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), a autarquia contestava decisão da Turma Recursal dos Juizados Especiais de Mato Grosso do Sul. Essa Turma havia determinado a averbação do período de 1/1/1945 a 31/12/1965, no qual o autor trabalhou em atividade rural e a expedição de certidão de tempo de serviço, independentemente das respectivas contribuições previdenciárias.

De acordo com a autarquia, o autor, atualmente, é servidor público estadual, vinculado a regime próprio de previdência. Isso, no seu entendimento, evidencia a intenção do autor de aproveitar o tempo de serviço para fins de contagem recíproca, sem que tenha havido a contrapartida financeira para tanto.

A Turma de Uniformização deu provimento ao recurso do INSS, entendendo que nesse caso, para que seja reconhecida a contagem recíproca do tempo de serviço pretendido, deve haver o recolhimento das contribuições, que devem ser pagas a título de indenização.

O INSS alegou que a decisão da Turma Recursal de Mato Grosso do Sul tem uma interpretação divergente da adotada pelo Superior Tribunal de Justiça, com base no Recurso Especial nº 409.563/RS (julgado em 3/6/2002, relator ministro Fernando Gonçalves), no Recurso Ordinário em MS nº 11.583/SC (julgado em 29/5/2000, relator ministro Félix Fischer) e no Recurso Especial nº 202.580/RS (julgado em 15/05/2000, relator ministro Gilson Dipp).

A Turma de Uniformização é presidida pelo coordenador-geral da Justiça Federal, ministro Ari Pargendler e composta por 10 juízes federais membros das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Federais (JEFs), sendo 2 de cada Região da Justiça Federal.

A Turma Nacional de Uniformização funciona no 5º andar da sede do Conselho da Justiça Federal, localizada no Setor de Edifícios Públicos Norte, Quadra 510, Lote 8, Bloco C, em Brasília-DF. O telefone para contato é (61) 348-4221.

Todas as suas decisões, súmulas, atas e pautas de julgamento, os juízes que a compõem e o seu endereço estão disponíveis para consulta no site do CJF (www.cjf.gov.br), no item "Turma de Uniformização". (CJF)

Processo nº 2002.60.84.000047-5

Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2003, 16h21

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/10/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.