Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Máquinas Presas

Máquinas continuam sujeitas à apreensão, decide STJ.

Negado o pedido de liberação das máquinas caça-níqueis apreendidas em Minas Gerais. A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, nesta quinta-feira (27/11), pedido de liberação de máquinas caça-níqueis apreendidas em São Paulo. A decisão foi em resposta a habeas-corpus preventivo impetrado pelo proprietário das máquinas, João Batista Caproni.

A deliberação da Segunda Turma mantém o que decidiu o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que já havia negado o mesmo pedido dos advogados de João Batista.

As máquinas eram exploradas numa microempresa regularmente inscrita na Junta Comercial de Minas Gerais. Batista impetrou o mandado de segurança preventivo, com pedido de liminar, contra o Ministério Púbico estadual, prevendo uma provável apreensão das máquinas "Copa-98", baseando-se nas notícias publicadas pela imprensa mineira.

O argumento de Batista para impetrar o pedido de liminar foi que a apreensão das máquinas caracterizaria uma invasão na esfera do Poder Judiciário e também uma violação ao seu direito de propriedade.

Voto

Ao votar, o ministro relator Castro Meira lembrou que o TJ de Minas negou o pedido, porque o Aviso-conjunto 02/200, contra o qual o autor se insurgiu, "constitui ato administrativo de caráter geral e abstrato, pelo qual não procede o pedido do mandado de segurança".

O ministro recomendou que se estabeleça um prazo de cinco dias úteis para que outros exploradores das "caça-níqueis" suspendam as atividades. Pediu, ainda,que a Polícia Militar autue, em flagrante delito, o explorador das máquinas e a apreensão delas, depois de findo o prazo fixado. Finalmente, requereu que se instaure Inquérito Civil Público para apurar eventual lesão aos direitos do consumidor pelo uso dos caça-níqueis.

"As loterias têm existência legal, destinada, porém, tão só e exclusivamente, à sua finalidade, qual seja, os jogos lotéricos, não podendo elas cuidar da regularização dos jogos eletrônicos conhecidos por caça-níqueis". Com esse argumento, o ministro refutou pedido de habeas-corpus de Batista. O ministro declarou que o STJ já havia se pronunciado sobre a ilegalidade da exploração dessas máquinas, ocasião em que observou que seria irrazoável que "esta Turma, no exame de matéria análoga, adote outra orientação". E negou o provimento ao recurso. (STJ)

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2003, 12h52

Comentários de leitores

2 comentários

No interior de cada " Casa de Bingo", autorizad...

Antonio Cesar Boller Pinto ()

No interior de cada " Casa de Bingo", autorizados a funcionar pelo Estado, existem dezenas dessas máquinas. E os "bicheiros"? Até lojas possuem!

Tem um boteco do lado do Fórum Central de São P...

Marcos (Advogado Assalariado - Empresarial)

Tem um boteco do lado do Fórum Central de São Paulo com umas três ou quatro máquinas destas... Anaconda, cadê você???

Comentários encerrados em 05/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.