Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bancos protegidos

Bancos de Porto Alegre estão obrigados a instalar portas de segurança

Bancos de Porto Alegre e Igrejinha, no Rio Grande do Sul, estão obrigados a instalar portas de segurança, como determinam as leis dos dois municípios. A decisão unânime é da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal. Os ministros seguiram o voto do relator, Carlos Velloso, e negaram os recursos extraordinários interpostos pela Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban) e pelo Banco ABN Amro Real S/A contra leis municipais.

A Febraban recorreu contra decisão da 2ª Câmara Cível Especializada do Tribunal de Justiça gaúcho, segundo a qual compete ao município (no caso, Igrejinha) legislar sobre segurança de sua população, de acordo com os artigos 30, I e II, e 182, da Constituição Federal.

A entidade alegou ofensa aos artigos. 5º, II; 30 I e II; 48, XIII, e 192, IV da Carta Federal. Sustentou ser "competência privativa do Congresso Nacional dispor sobre todas as matérias de competência da União, especialmente sobre instituições financeiras".

O recurso do Banco ABN contestou decisão que manteve em vigor a Lei 7.494/94, de Porto Alegre, tornando obrigatória a instalação de portas de segurança em bancos. A defesa do ABN alegou ofensa aos artigos 144 e 192, I e IV, da Constituição, sustentando também a incompetência do município para legislar sobre segurança bancária.

Os ministros da Segunda Turma consideraram que não houve lesão à competência legislativa da União e que as leis contestadas trataram de matéria de competência do município. Em seu voto, o ministro Carlos Velloso observou que, de acordo com posicionamento recente do Tribunal, as leis municipais contestadas não ofendem a Constituição ou a legislação federal sobre o assunto porque a matéria envolve questão de política urbana -- de competência municipal (artigo 182, CF).

Ele rejeitou a alegação de ofensa ao artigo 30, incisos I e II da Constituição pelo acórdão contestado. O dispositivo estabelece a competência exclusiva dos municípios para legislar sobre assuntos de interesse local (inciso I) e para suplementar a legislação federal e a estadual no que couber (inciso II). Afirmou que cabe à Lei federal tratar de segurança bancária específica.

No caso concreto, o ministro considerou ser competência municipal legislar sobre questões relativas a edificações ou construções realizadas no município. Entendeu, também, como razoável que o município possa exigir que os imóveis destinados às agências bancárias sejam dotados de portas eletrônicas com vistas à segurança dos usuários.

O ministro afirmou que a competência prevista no inciso II, artigo 30 da Constituição suplementa a competência federal ou estadual no que couber, no vazio e no que disser respeito a interesse municipal.

O ministro Nelson Jobim observou a diferença existente entre o serviço bancário e o espaço físico de acesso público onde o serviço é prestado. "Se o serviço, por determinadas idiossincrasias locais, representa um risco para o cidadão, poderá o município exigir um tipo de segurança especifica", disse ele.

O ministro Celso de Mello referendou o entendimento de que os municípios têm competência para determinar, por meio de lei local, que as instituições financeiras instalem dispositivos de segurança nas portas de acesso ao público.

"A legitimidade constitucional da Lei apóia-se na circunstância relevante de que o município, ao condicionar o funcionamento de agência bancária à instalação de dispositivos de segurança, na realidade não está a dispor sobre o controle da moeda, ou disciplinar política de crédito, câmbio ou segurança e transferência de valores, nem muito menos está a interferir em tema que se submeta em caráter de exclusividade ao domínio normativo da União Federal", votou Celso de Mello. (STF)

REs 240.406 e 355.853

Revista Consultor Jurídico, 26 de novembro de 2003, 11h18

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.