Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Negócio da China

Operação Anaconda investiga chinês da rua 25 de Março

A Operação Anaconda chegou, nesta quinta-feira (20/11), às cinco da manhã na rua 25 de Março, no centro de São Paulo, maior reduto de contrabando do Brasil. O alvo era um só: um chinês conhecido como Lao, que há quase 30 anos é dono dos maiores centros de distribuição de importados da 25 de março, incluindo três grandes shoppings.

Lao aparece em um documento sigiloso, obtido pela revista Consultor Jurídico, elaborado por policiais federais que integram a Anaconda. Ele é apontado como membro do "terceiro nível hierárquico" da suposta quadrilha de venda de sentenças.

Leia trechos do documento:

"Os elementos relacionados no primeiro nível hierárquico exercem a função de intermediadores entre os empresários que figuram no segundo nível hierárquico e os servidores públicos que integram o terceiro nível hierárquico: (...) Lao (chinês)...

... Nessas peças igualmente importantes em toda a cadeia criminosa já que são os responsáveis pela prática de crimes como: contrabando e descaminho, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, corrupção ativa ou eventualmente vítimas de concussão".

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2003, 19h53

Comentários de leitores

3 comentários

Ué, eu sempre ouvi dizer que a Rua 25 de Março,...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Ué, eu sempre ouvi dizer que a Rua 25 de Março, no bairro da Cantareira, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, era a "boca" onde se podia adquirir quaisquer mercadorias estangeiras, legítimas ou falsificadas, por preços indicativos de que não incidiam quaisquer tributos sobre os produtos ali vendidos, assim como em outras regiões da cidade haviam "bocas" de fumo, crack, cocaína, etc.. Por que será que SÓ AGORA as "autoridades" (leia-se, CPI não sei do que) resolveram que o tal chinês deve pagar por todos os "infratores"? É estranho, não? Será que ele deveria trocar os pagamentos em real, por dólares? Alguém explica? Ah! Eu ia perguntar o por quê de a operação ter sido levada a efeito "de madrugada". Mas me lembrei que era comandada pelos membros da CPI do Congresso, cujos parlamentares só trabalham nas madrugadas, mancomunando para ajudar o executivo federal esfolar os cidadãos que vivem do suor de seu rosto.

Infelizmente isto tudo vai dar em nada, estão t...

Lorandil de Jesus Pereira ()

Infelizmente isto tudo vai dar em nada, estão todos corrompidos, como uma pessoa corrompida pode jungar outra ? O caso do contrabandista de cigarros, já esta solto, sumiu o caderninho com todos os nomes das pessoas envolvidas no caso ? Só conhecia um caso que pessoas ricas vão para cadeia que foi o caso do lalau, más durou pouco, quem tem dinheiro neste pais não vai preso !

Caros Colegas da Comunidade Jurídica Brasileira...

André ()

Caros Colegas da Comunidade Jurídica Brasileira É de se notar que os feitos de tão macabro plano articulado por pessoas que têm conhecimento de como se excerce a justiça e os direitos sem que se pratique atos ilícitos. A verdade é que, não estando contentes com posição e influência já conquistadas, procuram meios ilícitos de se manterem no poder e fazer com que suas opiniões e intenções prevaleçam. Nem sabem eles que, o mesmo plano articulado contra a Educação nos anos negros (ditadura de 64), está sendo, também, segundo expressamente admitido pelo Doutor Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, em palestra patrocinada pela OAB em Santa Fé do Sul-SP neste ano ainda, colocado em prática contra o Direito, inclusive contra os membros da Magistratura e do Ministério Público, que tanto é odiado pelos detentores do Capital, algo que nos leva crer que em breve veremos mais escândalos tais como este. Para que se obtenha maior conhecimento sobre estes planos, consulte o endereço em que contém o artigo de Rodrigo Andreotti Musseti, "NEOLIBERALISMO, EDUCAÇÃO E GLOBALIZAÇÃO" para que se veja o que realmente ocorre!

Comentários encerrados em 28/11/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.