Consultor Jurídico

Realidade brasileira

Juízes chineses se espantam com causas repetitivas no STJ

O número de processos com causas repetitivas em trâmite no Superior Tribunal de Justiça causou espanto em juízes chineses que estiveram na Corte na manhã desta quarta-feira (12/11). O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Nilson Naves, conversou com os juízes sobre a reforma do Judiciário -- que pode dar maior celeridade à Justiça e reduzir a competência de modo a diminuir o número de ações.

O vice-presidente do Supremo Tribunal Popular da China, Jiang Xingchang, estava acompanhado de outros três juizes, o chefe da Divisão Internacional daquele Tribunal, o secretário da Embaixada da China e um interprete.

Além do presidente, participaram da reunião o vice-presidente Edson Vidigal e os ministros Pádua Ribeiro, Ari Pargendler, Felix Fischer e Eliana Calmon e a presidenta do Tribunal Regional Federal da Terceira Região, Ana Maria Pimentel.

A reunião serviu como uma troca de experiências entre as Justiças do Brasil e da China, país que o presidente do STJ visitou de 27 de outubro a 5 de novembro deste ano, para participar da V Conferência dos Presidentes dos Supremos Tribunais de Justiça da Comunidade dos Países e Territórios de Língua Portuguesa (CPTLP).

De Brasília, os magistrados chineses seguem para o Rio de Janeiro, já tendo visitado São Paulo, onde estiveram no Tribunal Regional Federal da 3ª Região. (STJ)




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de novembro de 2003, 12h29

Comentários de leitores

2 comentários

Será que é possivel exercer na CHINA o amplo di...

Paulo Trevisani (Advogado Assalariado - Previdenciária)

Será que é possivel exercer na CHINA o amplo direito de defesa? Será que os chineses vivem um democracia plena? É preciso antes de tudo esclarecer o exerciio destes direitos.

O Dr. Homero foi ao ponto central da questão. A...

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

O Dr. Homero foi ao ponto central da questão. Acho que qualquer jurisdicionado prefere as causas repetitivas daqui, do que "nenhum direito à causa" do país dos juizes visitantes.

Comentários encerrados em 20/11/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.