Consultor Jurídico

Sem modificações

Comissão Especial aprova relatório da reforma da Previdência

A Comissão Especial da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados rejeitou todos os 125 destaques apresentados ao texto do relator. A votação foi simbólica. Os únicos com votação individual são os referentes à taxação de inativos; ao teto de pensões; e a inclusão de 40 milhões de pessoas que estão no mercado informal no regime da Previdência.

O destaque referente ao aumento do teto do beneficio de pensionistas para R$ 2.400,00 foi rejeitado por 27 votos contrários e 11 favoráveis. O destaque de inclusão de 40 milhões de pessoas do mercado informal no regime da Previdência e o referente à taxação de inativos também foram rejeitados.

O relatório do deputado José Pimentel, aprovado sem emendas, segue agora para votação em plenário. (Agência Brasil)




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2003, 8h33

Comentários de leitores

1 comentário

Lamentavelmente, pude assistir, via “tv a cabo”...

João Marcello Trombini Carbone ()

Lamentavelmente, pude assistir, via “tv a cabo” a sessão da Comissão Especial que trata da reforma previdenciária. Mais do que lamentável, é de nos causar tristeza o fato de que um partido, que se diz do povo, queira uma democracia sem discussões, deseje um parlamento submisso a suas idéias partidárias. O que vi em referida comissão foi um palco de marionetes, encenando um pseudo-debate, e finalmente deliberando, irresponsavelmente, sobre matéria de tão importante teor. Afinal, quem quer uma Nação unida, um Estado forte e motivado deve melhorar as deficiências sociais, e não causar mais flagelos, que é o que acontecerá se o Estado cair em descrédito por seus próprios servidores. O que queremos é um sistema de previdência, mas não um ato de providência apressada a fim de adequar os anseios nacionais aos interesses estrangeiros parasitários. Espero, sinceramente, que tenhamos sim uma efetiva reforma, uma mudança que acabe com as distorções do sistema, e não com um sistema distorcido, que é o que aparentemente desejam vários defensores da demagógica “igualdade social”. João Marcello T.Carbone - São Paulo

Comentários encerrados em 01/08/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.