Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Taxas de juros

A defesa da concorrência e os spreads bancários no Brasil

Por  e 

Nas últimas semanas, dentro do infindável debate sobre o nível da taxa de juros real no Brasil, as atenções do Governo e da sociedade em geral se voltaram para os spreads cobrados pelos bancos aos tomadores finais de empréstimos bancários, nas suas diversas modalidades. Com efeito, eventuais reduções da taxa básica de juros - a Selic -, ainda que tragam benefícios em termos da redução da dívida pública à médio e longo prazo, não serão capazes de proporcionar uma retomada do crescimento econômico se as taxas de juros reais praticadas pelos bancos não experimentarem expressivas diminuições nos próximos meses.

A discussão a respeito da elevada magnitude do preço do crédito no País remete, entre outros, ao problema da concorrência no mercado bancário nacional. A promessa do aumento da concorrência neste mercado, por meio da entrada de instituições estrangeiras no Brasil não se cumpriu; pelo contrário, observa-se que tais instituições ou aderiram às estratégias dos bancos nacionais ou estão em processo de saída do mercado brasileiro.

Não bastasse a redução do número de competidores derivada deste último processo, o mercado bancário nacional também experimenta um movimento de concentração, por meio de um intenso processo de fusões e aquisições. De fato, entre 1994 e 2001, o número de bancos atuantes - bancos comerciais e múltiplos - no Brasil diminuiu de 244 para 181. Esta redução deu-se principalmente entre os bancos múltiplos de médio e micro porte. Por outro lado, entre 1996 e 2001, o percentual de instituições financeiras, por participação de ativos, controladas por capital estrangeiro no total da área bancária passou de 9,8% para 29,9%, fato que mostra que a entrada dos bancos estrangeiros, contrariamente ao esperado, não permitiu uma desconcentração bancária.

Esta redução no número de competidores no mercado bancário nacional foi acompanhada de uma maior concentração de ativos entre as maiores instituições. Sem embargo, as dez maiores instituições controlavam 60% dos ativos totais dos bancos e caixas econômicas em 1996. Este percentual se eleva para cerca de 64% em 2001. Tais números mostram que este é um mercado com elevado grau de concentração, no qual se observa a existência de enormes barreiras à entrada, inclusive de natureza institucional. Este grau de concentração se eleva ainda mais nos últimos dois anos em face à continuidade do processo de fusões e aquisições: o número de bancos comerciais e múltiplos em 2002 atinge um total de 165 instituições.

Do ponto de vista estratégico, o comportamento dos bancos no Brasil também parece indicar uma opção pela não-rivalidade. Ainda que esta opção em parte possa ser explicada pelo custo de oportunidade associado à oferta de títulos públicos, que respondem por cerca de 57% dos ativos bancários no País, e à escassez de crédito provocada não só pela elevado volume da dívida pública, mas também pela ação de alguns instrumentos da política monetária, como o elevado nível dos depósitos compulsórios, não se pode descartar a priori a possibilidade de colusão tácita entre os bancos no que tange ao nível médio do spread bancário nacional.

Os fatores estruturais e comportamentais do mercado bancário nacional remetem a importância das políticas de defesa da concorrência como mecanismo indutor da redução das taxas de juros no País e, portanto, da retomada do crescimento econômico. Com efeito, a partir do início da década de noventa, observa-se uma mudança nas formas de intervenção estatal, caracterizada por uma série de transformações institucionais - ainda incompletas - que determinaram o surgimento de diversos órgãos de regulação, em grande parte independentes, responsáveis pelo monitoramento das ações dos agentes privados em uma economia de mercado.

Consoante com esta orientação, o governo, em 1994, implantou uma nova legislação antitruste, consubstanciada na Lei 8.884. Seguindo os padrões internacionais, a legislação antitruste brasileira autoriza a política de defesa da concorrência nacional a atuar em duas dimensões dos mercados, reprimindo, de um lado, certas condutas dos agentes que deles participam (por exemplo, cartéis) e controlando, de outro lado, preventivamente sua estrutura, por meio da aprovação - ou não - dos chamados atos de concentração. Objetiva-se, neste último caso, a proibição de fusões, aquisições ou joint ventures, de caráter horizontal ou vertical, que visem exclusivamente à dominação de mercados e/ou que impliquem a redução do grau de competição nos mercados onde se realizam.

Do ponto de vista institucional, a aplicação da legislação e da política antitruste nacional ficou sob a responsabilidade de três órgãos, que em conjunto forma o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC): o CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica -, autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, a SDE - Secretaria de Direito Econômico, do Ministério da Justiça e a SEAE - Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda. Os dois últimos elaboram pareceres não vinculativos sobre atos de concentração e processos por condutas anticompetitivas, cabendo exclusivamente ao colegiado do CADE a decisão final.

A despeito da existência deste arcabouço institucional voltado para a preservação da concorrência, o setor bancário nacional, ao contrário de outros setores regulados, como o das telecomunicações ou de energia, ainda encontra-se abrigado das políticas de defesa da concorrência. Existe um conflito, não resolvido, entre as atribuições do Banco Central e do CADE quanto a responsabilidade pela aplicação das políticas de defesa da concorrência no setor. Em outros setores sujeitos à regulação por parte de um órgão específico, a análise dos atos de concentração e das supostas condutas anticompetitivas é realizada no interior do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência, ainda que com a participação do respectivo órgão regulador (Anatel, Aneel, etc.), tendo em vista as especificidades dos setores regulados. Mas a decisão final, nestes casos, cabe ao CADE.

No caso do sistema bancário nacional, o impasse derivado do conflito de responsabilidades entre o Bacen e o CADE não somente tem provocado uma situação de insegurança jurídica para os bancos, mas, sobretudo, impedido a ação dos mecanismos de salvaguarda à concorrência no setor, com possíveis impactos negativos sobre os spreads bancários. A implementação das políticas de defesa da concorrência no setor bancário nacional, por meio das instituições e dispositivos do SBDC, como ocorre em outros setores regulados por órgão específicos, é fundamental para promover a concorrência entre os bancos e viabilizar a redução das taxas de juros finais no Brasil.

 é doutor em economia pela UFRJ

 é doutor em Economia (IE-UFRJ), professor-adjunto de finanças e economia, EBAPE/FGV.

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2003, 16h38

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 15/07/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.