Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ponto de vista

'Reunião de Lula com o MST foi fracasso duplo.'

A reunião entre o presidente Lula e as lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) foi um fracasso para o governo em dois sentidos. O primeiro, e mais visível, foi a imagem transmitida nos meios de comunicação. A imagem do presidente Lula usando um boné do MST já está sendo utilizada por partidos de oposição, e transmite a idéia que o governo PT está complacente com um movimento que vem aumentando suas invasões de terra, ocupação de espaço público e saques.

Independentemente do fato de essa avaliação ser correta ou não, a mensagem que se transmitiu para a opinião pública depois de reunião foi exatamente oposta a que o governo pretendia. Em vez de ser visto como um governo capaz de negociar uma solução no campo, os jornais passaram a impressão que o governo não só fracassou em chegar a uma trégua com o MST, mas que a reunião foi amistosa demais, levando em consideração a natureza das ações do MST.

A reunião foi um fracasso em um outro sentido, mais importante, pois revela que a estratégia do governo com relação ao movimento pode ser equivocada. Em vez de adotar uma posição de barganha mais dura com o movimento, que criaria desincentivos para a invasão de terra, o governo nitidamente está tentando diminuir o conflito no campo através de maior diálogo, visando fomentar uma relação mais próxima com segmentos mais moderados do movimento.

Essa estratégia está fadada ao fracasso não só porque a estrutura do movimento é essencialmente descentralizada, e um acordo com lideranças nacionais muito provavelmente não seria respeitado em seus diretórios regionais, mas também porque as lideranças nacionais têm pouco incentivo para diminuir suas atividades ilegais no campo. A razão é que na medida em que invasões de terra se transformam em um ato com custo muito baixo, devido ao fato que o governo não impõe punições, todos os incentivos estão no sentido de o movimento radicalizar suas ações.

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2003, 16h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 11/07/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.