Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

'Sem violência'

Menor infrator terá liberdade assistida em vez de internação

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Nilson Naves, revogou a decisão que mantinha um menor em regime de internação e determinou que ele fique sob liberdade assistida pelos pais ou responsáveis. O presidente acolheu o pedido da Procuradoria da Assistência Judiciária do Estado de São Paulo que alegou ser desnecessária a internação quando não há prática infracional conduzida com violência.

O adolescente foi condenado, na comarca de Diadema (SP), à medida sócio-educativa de internação em razão da prática de ato infracional previsto no artigo 122 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que condena a aquisição ou porte de droga.

O juízo de primeiro grau condenou o jovem à internação sem prazo determinado afirmando que em liberdade ele estaria correndo risco de vida. Entendeu, também, que longe das ruas o adolescente poderia receber tratamento adequado, bem como estudos e trabalho. O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo confirmou a sentença da primeira instância que condenava o menor por porte ilegal de entorpecentes.

No STJ, a Procuradoria da Assistência Judiciária, interpôs habeas corpus, com pedido de liminar, para que o menor saísse da internação e fosse entregue à sua família ou responsáveis. Para isso, a representante da Procuradoria alegou que somente se há prática infracional conduzida com violência ou grave ameaça à pessoa ou reiteração de prática de outras infrações graves é que se torna viável a segregação do infrator em unidades de contenção. A defesa acrescentou ainda que em sua tipificação penal o crime de porte ilegal de entorpecentes não contém a elementar de violência ou grave ameaça à pessoa.

Naves acolheu o pedido da Procuradoria e deferiu a liminar para determinar, até o pronunciamento da Turma especializada. Foi determinada, assim, a substituição da medida sócio-educativa de internação pela liberdade assistida, ficando proibida a ausência do adolescente de sua residência após as vinte horas sob pena de revogação da medida. (STJ)

HC 32.838

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2003, 17h06

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/01/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.