Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sexta-feira, 19 de dezembro.

Primeira Leitura: Lula lista como conquista o que não aconteceu.

Ficção

Em cerimônia na qual reuniu todos os seus ministros, vários parlamentares e alguns convidados especiais, como empresários - entre eles, Abílio Diniz, estrela do programa televisivo do PT -, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço do primeiro ano de sua gestão. Durante quase uma hora e meia, num discurso entremeado de improvisos, listou como conquistas suas coisas que simplesmente não aconteceram e outras tantas que não resistem a uma análise minimamente atenta.

Recuperação de salários?

A contradição mais flagrante entre o discurso do presidente e a realidade foi a "informação" de que a recuperação dos salários começou. Todas as pesquisas, inclusive a de institutos oficiais, como o IBGE, indicam o contrário. Lula citou, a título de exemplo, o caso dos bancários, que, na verdade, tiveram reajuste abaixo da inflação na data-base, em 1º de setembro. E procurou relacionar, de forma sutil, sua política externa ao resultado da balança comercial, o que qualquer grande exportador sabe não corresponder aos fatos.

Estado investidor?

E tratou o BNDES como exemplo do impulso dado pelo Estado para a recuperação da economia. Na verdade, os desembolsos do banco tiveram queda de 10,6% no ano, segundo dado divulgado na véspera. A política monetária também foi francamente contracionista.

Orçamento melhor?

Lula prometeu um 2004 muito melhor e afirmou que o Orçamento Geral da União do ano que vem assegura recursos para as políticas sociais e investimentos em infra-estrutura -- ora, o Orçamento tem pequenas alterações em relação a este ano, e a própria base governista já fala em contingenciamento de recursos.

Fome zero?

O presidente falou ainda do Fome Zero. Disse que o programa superou as dificuldades iniciais. De fato, superou, e isso ocorreu no momento em que o programa, na verdade, acabou. Foi absorvido -- ainda bem! -- pelo Bolsa-Família.

Uma verdade

Além do presidente, vários ministros fizeram avaliações do primeiro ano da gestão petista. Para Roberto Rodrigues (Agricultura) falou a verdade: que os agricultores estão fazendo a sua parte e compensando as falhas do governo. "Plantaram 2,6 milhões de hectares a mais para o ano que vem e o vão nos dar uma safra de 130 milhões de toneladas. Isso quer dizer que o produtor rural brasileiro está fazendo a parte dele, e o governo tentando fazer tudo para não atrapalhar".

Um cinismo

No ano de recordes do desemprego e da queda de renda, Jaques Wagner (Trabalho), por sua vez, afirmou que o trabalho desenvolvido até agora, dadas as condições do país, foi "excepcional".

Mais imposto

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou a prorrogação da alíquota de 27,5% no Imposto de Renda da Pessoa Física por dois anos, até 31 de dezembro de 2005. O texto será votado pelo plenário hoje. A alíquota máxima deveria ter voltado a ser de 25% neste fim de ano, mas os parlamentares petistas, que antes a condenavam, agora que estão no poder não querem nem ouvir falar em poupar o trabalhador desse desconto em seus contracheques. Como a tabela do IR também não será corrigida pelo governo, mais pessoas, a partir desse ano, passarão para a faixa da alíquota máxima.

Assim falou... Jorge Bornhausen

"O Brasil andou para trás."

Do senador do PFL por Santa Catarina, ao fazer seu próprio balanço do primeiro ano do governo Lula. Ele citou o aumento da carga tributária, os altos índices de desemprego e o pouco investimento na segurança pública como exemplos do retrocesso.

Enquanto isso, no mundo real

Enquanto Lula mostrava um retrato cor-de-rosa de seu primeiro ano de governo, o IBGE divulgava dados muito ruins sobre o emprego e a renda dos trabalhadores da indústria em outubro. Depois de dois meses de abertura de postos de trabalho, o nível de emprego industrial caiu 0,5% em relação a setembro. Sobre outubro de 2002, o recuo foi de 1,6%, o sétimo consecutivo nesse tipo de comparação. Os setores de vestuário e de papel e gráfica foram os que mais demitiram, com redução de 2,6% em seus postos de trabalho. E a queda no rendimento persiste. Em outubro, o valor real da folha de pagamento recuou 0,1% em relação a setembro. No acumulado do ano, a queda foi de 5,9%.

Revista Consultor Jurídico, 19 de dezembro de 2003, 10h15

Comentários de leitores

10 comentários

Lí recentemente em um jornal que os especulador...

Ilton Nunes ()

Lí recentemente em um jornal que os especuladores estão felicíssimos, pois Lula está fazendo para eles o que nenhum outro presidente brasileiro havia feito, à custa de enorme sacrifício da já calejada população brasileira. Ou melhor, o governo de Lula arrocha ao máximo a economia do país para pagar a monstuosa e obscura dívida externa brasileira, causando mais sofrimento à população para encher as burras dos agiotas internacionais. Mas não eram o PT e mister Lula, até a pouco tempo atrás, contrários ao pagamento da dívida externa brasileira ? Quem mudou o discurso, o Lula porque foi eleito, ou o PT porque está no governo ? E a auditoria na dívida externa brasileira, que até há pouco tempo atrás era defendida com unhas e dentes, tanto pelo Lula quanto pelo PT, sai agora ou não sai ? E a promessa de campanha de Lula de criar dez milhões de empregos (afinal, o desemprego está aumentando e já temos a maior taxa de desempregados da história, no governo Lula) ? E o espetáculo de crescimento prometido em julho próximo passado pelo Lula (não se esqueçam que o atual PIB está perto de zero; foi o Lula e o PT que fizeram !) ? Entretanto, a sanha arrecadatória desse pessoal do PT é tão grande, que apenas para citar um exemplo, a Dona Marta Suplicy, já apelidada pela oposição da Câmara Municipal de Dona Martaxa Coxinha Suplicy, queria cobrar imposto sobre os salgadinhos vendidos em casa, venda essa geralmente feita por desempregados. Pois é meus amigos, voto é coisa séria, e o PT certamente virá pedi-lo no ano que vem; os candidatos do PT eu receberei com um "Xô Satanás, que a incompetência é demais". Ilton Nunes - São Paulo.

O cinismo sempre foi o ponto alto desse pessoal...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

O cinismo sempre foi o ponto alto desse pessoal que aí está aboletado no Palácio da Alvorada. Jamais deixarão de mentir e ludibriar. Tanto assim é, que continua com "ibope". O atual ocupante do cargo de chefe do executivo federal continua no palanque, pois dele não sabe descer para a realidade; o palanque, agora, é internacional. Mas nada de bom conquistou para o País. Aliás, está o chefe(?) do executivo federal distribuindo financiamentos, via BNDES, aos outros países sulamericanos: US$ 250 milhões para Equador projetar hidrelética; US$ 1 bilhão para Venezuela fazer o mesmo, além de financiar a construção de rodovias na Bolívia e Paraguai (GAZETA MERCANTIL DE 1º/12/03, pag. A-7), além do US$ 1 bilhão repassados para Argentina e Chile reativarem ferrovia. Esse empresário citado no texto, é o único que apóia esse (des)governo; é dono de rede de supermercado que está cartelizando o comércio de alimentos, juntamente com aquele supermercado francês; deve ser por isso que é garoto propaganda disso que aí está. O espetáculo de crescimento, de fato, ocorreu: O ESPETÁCULO DO CRESCIMENTO DOS TRIBUTOS, VIA CONSERVAÇÃO DE ALÍQUOTAS, AUMENTO DE OUTRAS E CRIAÇÃO DE MAIS TANTAS CONTRIBUIÇÕES - para financiar suas viagens internacionais que proveito nenhum trouxe ao país. Nessa viagem ao Oriente Médio, levou cupinchas que lotaram 4 (quatro) boeings, inclusive com escolas de samba. Como bom observador e ouvinte, jamais deixei-me ludibriar por essa gente; jamais terão meu voto. O blá, blá, blá dessa gente é pior do que repetição de disco rachado. A FALTA DE PUDOR É INERENTE A ESSES QUE AÍ ESTÃO NO (DES)GOVERNO. Esse discurso bem demonstra isso.

Num passado bem próximo o PT acusava os partido...

Marta Otoni Marinheiro Rodrigues (Advogado Sócio de Escritório)

Num passado bem próximo o PT acusava os partidos da situação no Ceará de plantarem na mente dos cearenses e visitantes da terra do sol, a imagem de uma autêntica ilha da fantasia. Pelo visto a idéia é tão boa que os petistas resolveram copiar. A cada dia deste (des)governo mais me convenço de que neste país só existem duas facções políticas: os que estão no poder fazendo toda sorte de miséria e os que vendem a própria mão ao diabo para lá chegar e fazer a mesma coisa.E o mais grave de tudo isto é que o Brasil ainda está cheio dos piores cegos, isto é, aqueles que não querem enxergar. Ou será que o ainda alto índice de aprovação do governo é mais um daqueles devaneios plantados, sabe-se a que custo, pelos senhores dirigentes da ilha da fantasia? Que Deus tenha piedade de nós!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.