Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Poder informatizado

STJ doa computadores a Cabo Verde, Moçambique e Guiné Bissau.

Os poderes judiciários de Cabo Verde, Moçambique e Guiné Bissau receberão, nesta quinta-feira (18/12), 60 computadores e 15 impressoras. A entrega será feita pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Nilson Naves.

As doações fazem parte de um plano de intercâmbio e cooperação "Navegar é Preciso" desenvolvido pelo STJ com os países que compõem a Comunidade dos Países e Territórios de Língua Portuguesa. Cada país receberá 20 computadores e cinco impressoras.

Nilson Naves vai fazer a entrega dos equipamentos de informática aos embaixadores Luís Antônio Valadares Dupret (Cabo Verde); Amadeo Paulo da Conceição (Moçambique) e ao cônsul Tcherno Ndjai (Guiné Bissau). A solenidade entrega acontecerá no Gabinete da Presidência do STJ.

A negociação foi intermediada por uma comissão de técnicos do STJ que promoveu um trabalho de intercâmbio entre os poderes judiciários do Brasil e demais países participantes da CPTLP. A comunidade é composta por Portugal, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde, Timor Leste, São Tomé e Príncipe, Brasil e o território de Macau.

O STJ já fez, neste ano, a entrega de computadores e impressoras à Angola e São Tomé e Príncipe. Foram 20 computadores e cinco impressoras para cada país. A última entrega foi feita para São Tomé e Príncipe que recebeu os equipamentos da comitiva presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva. (STJ)

Revista Consultor Jurídico, 16 de dezembro de 2003, 11h53

Comentários de leitores

4 comentários

Em um única palavra: ABSURDO!!! Não temos estr...

Flávio Viana barbosa (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Em um única palavra: ABSURDO!!! Não temos estrutura no Brasil, sendo que muitos magistrados compram os computadores que usam no seu dia a dia e, não nos esqueçamos, por muitas vezes a própia OAB, visando agilizar o andamento forense, dou este mesmo tipo de equipamento a muitas varas de São Paulo. Nada justificar doar o que não temos! A própria informatização do TJ/SP foi bancada pela OAB local, diante da famigerada falta de verbas e o direito dos nossos impostos está sendo doado, em forma de computadores, a paises africanos. Imperdoável!

Realmente a indignação é geral. Por que nós que...

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

Realmente a indignação é geral. Por que nós que pagamos os impostos não somos os primeiros beneficiados? Nosso Judiciário não tem problemas estruturais bastantes a resolver? Inclusive de informática? Mais uma vez o chapeú alheio foi usado para fazer gentilezas por outrém. O que foi dado é pouco, mas esse pouco deve estar fazendo falta em alguma vara deste Brasil varonil.

Gostaria de solicitar ao Exmo. sr. Presidente d...

Washington Rodrigues de Oliveira (Advogado Autônomo - Civil)

Gostaria de solicitar ao Exmo. sr. Presidente do STJ, que por alguns momentos, deixasse de olhar para tão longe, e em vez de preocupar-se com problemas de outros países, tarefa essa que cabe a ONU e ao Poder Executivo, que tentasse olhar um pouco ao seu redor. Veria que mesmo em SP, o Estado mais rico e populoso da federação, muitas varas ainda não tiveram acesso a inclusão digital. Deveríamos, primeiramente, fazer uma faxina em nossa casa, para, posteriormente, preocupar-mo-nos com os problemas dos vizinhos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.