Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em pauta

STF discute nulidade de julgamento por falta de intimação da defesa

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, rejeitou recurso ordinário em habeas corpus para Manoel José da Silva. Ele foi condenado por furto pela Décima Quarta Câmara do Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo.

A Defensoria Pública recorreu ao Superior Tribunal de Justiça. Argumentou que a decisão do Tribunal de Alçada Criminal deveria ser anulada. Motivo: não intimação pessoal do defensor público para o julgamento da apelação da sentença.

Para o STJ, a falta de intimação pessoal do defensor público da inclusão do processo em pauta e da data da sessão de julgamento do recurso leva à nulidade absoluta da decisão. Porém, afastou essa possibilidade no HC em questão. "Na espécie, o mesmo defensor público, subscritor das razões de Apelação e da petição de Habeas Corpus onde é pedida a declaração de nulidade, antes do trânsito em julgado do acórdão, foi dele intimado pessoalmente, somente impetrando a ordem após 3 anos", sustentou do STJ.

No recurso interposto no STF, a defesa alegou ofensa aos princípios do contraditório, da ampla defesa e da legalidade porque quando do julgamento da apelação no Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo, o defensor público não foi pessoalmente intimado. Afirmou novamente que a falta de intimação do defensor implica a nulidade absoluta do julgado, não se podendo falar em preclusão. Argumentou, ainda, que a demora da apelação decorreu de falha do próprio Estado, uma vez que o quadro de procuradores em atuação na comarca de Ribeirão Preto não era suficiente para atender à demanda dos acusados que necessitavam do serviço de assistência judiciária.

Nesta terça-feira (16/12), o defensor público Marcos Ribeiro de Barros alegou que a decisão do STJ foi inadequada. "O fato eivado de nulidade absoluta é a falta de intimação pessoal da inclusão em pauta e da sessão de julgamento, e o STJ entendeu que a não interposição do Recurso cabível contra a decisão que julgou a apelação é que dera causa àquela nulidade antecedente. Há aí uma impossibilidade lógico-temporal de causalidade", disse o defensor público. Ele admitiu ainda que houve uma falha de Estado, mas em virtude da carência de recursos da Procuradoria, alegando que tal falha "em hipótese alguma supre a nulidade que é absoluta".

O relator da matéria, ministro Marco Aurélio, desproveu do recurso ordinário. Segundo ele, no caso, "a preclusão solta aos olhos". Para o ministro, "o defensor público que vinha atuando no processo, por sinal o mesmo que impetrou o Habeas, foi intimado pessoalmente para ciência do acórdão proferido (...). Quedou silente passados os três anos que procedeu a essa impetração". A maioria dos ministros seguiu o relator.

Voto vencido, o presidente da Primeira Turma do Supremo, Sepúlveda Pertence, deu provimento ao Recurso. "Eu fico fiel à jurisprudência do Tribunal (STF) que considera absoluta a nulidade do julgamento se não intimado da pauta o defensor público", disse. (STF)

RHC 83.770

Revista Consultor Jurídico, 16 de dezembro de 2003, 19h02

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.