Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

'Defeitos insanáveis'

TRE paulista desaprova contas de campanha de José Genoíno

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo desaprovou, por votação unânime, a prestação de contas da campanha eleitoral do presidente do PT, José Genoíno, candidato a governador em 2002.

De acordo com a decisão, de quinta-feira (11/12), o deputado deixou de comprovar despesas e esclarecer doações. Segundo o relator do processo, Cauduro Padin, "são defeitos insanáveis a ausência da juntada dos recibos eleitorais e a respectiva comprovação de despesas desacompanhadas do suporte contábil formal necessário, ou seja, da documentação específica correspondente".

Ao todo, 51 recibos eleitorais não foram apresentados, dentre eles os recibos de doação de R$ 103.869,64 em serviços, feita pela empresa Klabin S/A. Cabe recurso ao TSE. (TRE-SP)

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2003, 15h50

Comentários de leitores

16 comentários

Ora, a troco do que o Sr. Genoino não apresento...

Alexandre de Souza ()

Ora, a troco do que o Sr. Genoino não apresentou recibos, não comprovou corretamentes os gastos com sua frustada camapnha ao Governo do Estado de São Paulo? Não foi apenas um recibo que ele deixou de apresentar, mas 51 recibos!! Quem será que ele irá responsabilizar por essa falha, pois a prática do Partido dos Trabalhadores é procurar culpados. Chego a conclusão que o lema dos membros do Partido dos Trabalhadores é: "Faça o que eu digos, mas não o que eu faço". Espero que o povo brasileiro esteja atento nas próximas eleições, temos que excluir do cenário político vários parlamentares que nos envergonham.

A prestação de contas junto a Justiça Eleitoral...

Gilberto Prado ()

A prestação de contas junto a Justiça Eleitoral é tremenda hipocresia. O candidato faz de conta que presta as informações corretas e a Justiça Eleitoral faz de conta que fiscaliza. Basta analisar a prestação de contas dos deputados eleitos, há deputados eleitos com mais de 100 mil votos que declararam despesas de apenas 120.000,00 e a Justiça eleitoral acredita, mas não fiscaliza.O resto é perfumaria, campanhas milionárias, mantidas por empresas, banqueiros e fornecedores de governo.

Senhores (as): Deixando a politica de lado, é ...

Valdeci Pires de Medeiros (Contabilista)

Senhores (as): Deixando a politica de lado, é bom que fique bem claro uma coisa, o que não foi aprovado foram as contas do Sr. José Genoino simplesmente porque ele não apresentou a documentação correta. Faltaram recibos de doações e as contas não estavam corretas!!! Como contabilista que sou, tive a curiosidade de baixar os programas recomendados pelo Tribunal Superior Eleitoral e vi que não há como se fazer maracutaias nem invadir o banco de dados para alterar alguma conta. Agora, trocando seis por meia duzia: há uma projeto de lei no congresso em andamento que vai introduzir o financiamento público de campanhas eleitorais. É bom que fique bem claro uma coisa: em um país onde falta dinheiro para saúde, educação, saneamento básico, contrução de moradias populares... serão financiadas com recursos publicos campanhas politicas de pessoas que sequer apresentam suas contas corretamente??? Isto é o que diz o projeto de lei no congresso nacional!!! Acordem senhores advogados e pretendentes a direção da OAB de SP ... Precisamos de uma lei que obrigue as empresas ajudarem os candidatos aos postos públicos que declarem em seu imposto de renda anual quem ela ajudou e com quanto ajudou, desta forma teremos campanhas transparentes. Saberemos quais empresas e quais bancos financiaram as campanhas. Uma outra medida salutar é permitir as pessoas fisicas ajudarem seus candidatos preferidos e deduzirem um pequeno percentual na sua declaração de ajuste anual. Afinal de contas: alguém tem alguma coisa contra eu ter doado meu rico dinheirinho para o candidato A, B ou C??? Valdeci Pires de Medeiros Técnico em Contabilidade Carapicuiba/SP www.valdecicontabilidade.ezdir.net

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.