Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Jogo do bicho

MPT não pode recorrer contra vínculo de emprego no jogo de bicho

O Ministério Público do Trabalho não é parte legítima para recorrer de decisões da Justiça do Trabalho em defesa de interesses privados. O entendimento, por maioria de votos, é da Sessão Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho.

No caso, o MPT questionava decisão do TRT de Minas Gerais que, mesmo reconhecendo a ilicitude da atividade, atribuiu personalidade jurídica de direito privado a uma banca de jogo de bicho para garantir vínculo empregatício com duas anotadoras de apostas (cambistas), condenando a banca a pagar parcelas dele decorrentes.

Segundo o MPT, a contratação de trabalhador com o objetivo de implementar atividade ilícita - jogo do bicho - é de ordem pública, o que justificaria sua intervenção. O argumento já havia sido rejeitado pela Segunda Turma do TST. Agora também foi rejeitado pela SDI-I.

Segundo a relatora do recurso, ministra Maria Cristina Peduzzi, a atuação do Ministério Público do Trabalho é obrigatória nos feitos que tramitam na Justiça do Trabalho quando a parte for pessoa jurídica de direito público, Estado estrangeiro, organismo internacional ou ainda como fiscal da lei, quando existir interesse público que justifique sua intervenção.

O MPT sustentou ser equivocada a decisão do TRT-MG. Além disso, o próprio TRT-MG teria determinado que a cópia da ata da audiência na qual consta a confissão da prática de contravenção penal fosse enviada ao MPT para que tomasse as providências que entendesse necessárias. Segundo a relatora, entre essas providências não está a possibilidade de recorrer ao TST.

No recurso à SDI-I, o MPT questionou outro aspecto da decisão da Segunda Turma do TST que dotou uma banca de bicho de personalidade jurídica de direito privado como se fosse "Casa Lotérica" (cuja denominação está relacionada com atividades vinculadas à Caixa Econômica Federal e necessitam de licitação). Segundo o MPT, "se há ilegalidade, inexiste personalidade jurídica na 'empresa".

O argumento também foi rechaçado pela ministra Peduzzi. Segundo ela, o alegado interesse público, no âmbito da Justiça do Trabalho, foi afastado em razão do MPT defender, por vias transversas, apenas proveito patrimonial privado da casa lotérica. Além disso, segundo Peduzzi, "qualquer pessoa jurídica pode cometer ilícitos sem deixar de ser pessoa jurídica".

"No caso, não se configuram as hipóteses citadas, haja vista que o Ministério Público recorre para defender interesses privados. As providências que se espera do órgão ministerial e que justificariam o interesse público são cabíveis na esfera penal, não na seara trabalhista", concluiu a ministra. Os ministros Rider de Brito e Lélio Bentes Corrêa divergiram da relatora, mas foram votos vencidos.

Sandra Lia lamenta decisão

A procuradora-geral do Trabalho, Sandra Lia Simón, lamentou a decisão do TST. Para ela, mesmo que a atuação do MPT deva se dar apenas nos casos de interesse público, ela esclarece que a definição desse conceito é que se ampliou nos últimos anos.

"A interpretação sobre a atuação do Ministério Público do Trabalho não pode ser vista de maneira restritiva porque a noção de interesse público cresceu muito a partir da própria evolução da sociedade", afirma Lia Simón.

Quanto ao argumento da relatora, de que "as providências que se espera do órgão ministerial e que justificariam o interesse público são cabíveis na esfera penal, não na seara trabalhista", a procuradora-geral ressalta que a condenação na Justiça Trabalhista reforçaria a punição ao ilícito penal praticado pelos donos da banca. "O interesse da sociedade é não ver uma atividade ilícita consolidada como regular pelo Poder Judiciário", conclui. (Com informações do TST e do MPT)

E-RR 714487/2000

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2003, 17h58

Comentários de leitores

2 comentários

Impressionante como quem deveria zelar pela lei...

Fernando Coratti Silva (Advogado Autônomo)

Impressionante como quem deveria zelar pela lei, sacrifica principios basicos que justificam a própria lei. Cada vez mais absurdas as decisoões de muitos juizes, que se tornam cada vez mais políticos e despejam cada vez mais cargas ideologicas, em duvidosa harmonia com o Estado de Direito, em suas decisões.

É, daqui a pouco estão reconhecendo vínculo ent...

Alexandre Russi (Advogado Autônomo - Empresarial)

É, daqui a pouco estão reconhecendo vínculo entre o traficante e os "trabalhadores" da "boca de fumo". Tudo pelo social, e viva o Brasil !

Comentários encerrados em 19/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.