Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Trabalho reconhecido

Luiz Salvador é homenageado pela defesa de presos políticos

O advogado Luiz Salvador foi homenageado pela Câmara dos Deputados por sua atuação, nas décadas de 60 e 70, na defesa de presos políticos. A homenagem foi proposta pelo deputado José Mentor (PT-SP).

Na década de 70, Salvador defendeu 13 dos 65 presos políticos no Paraná. Segundo ele, "foi uma experiência incrível", apesar de a "época ter sido muito difícil por causa da atuação da polícia política". "Nesse período turbulento, cheguei a ser afastado do cargo de presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba, por ordem do ministro Barata e Silva. Meu 'pecado' foi lutar pela liberdade e autonomia sindical, contra o FGTS, contra os decretos-lei que aviltavam os salários, não permitindo livre negociação salarial e condições de vida melhores para a categoria", lembrou.

Atualmente, Salvador é diretor de Internet da Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (Abrat) e presidente da Comissão de Informações Legislativas da Associação Latino-americana de Advogados Trabalhistas (Alal).

Segundo o presidente da Alal, Luis Carlos Moro, a homenagem foi um "justo reconhecimento para colegas que, anonimamente, lutaram de forma solidária e compromissada em favor dos direitos humanos". Moro afirmou, ainda, que Salvador é um "advogado trabalhista combativo, franco, leal, companheiro de lutas e um batalhador pelas causas em favor do ser humano"

"Tenho certeza de que todos nós, pela homenagem ao Salvador, formos também homenageados", declarou o presidente da Alal.

Mais história

O advogado disse que, em 1970, houve diversas prisões de militantes do PCB no Brasil -- foi a chamada operação Bandeirante. Segundo ele, o motivo de tantas prisões "ficou claro no transcorrer do processo". "É que até então, somente a Arena ganhava as eleições. De repente, o MDB, ganhou as eleições. O PCB ajudou o MDB a ganhar as eleições distribuindo muitas cópias da proposta política do partido para o pessoal do campo. Com a ajuda de um mimeógrafo feito de bambu, de custo baratíssimo, milhares de folhetos de denúncias foram distribuídos à população", afirmou.

De acordo com Salvador, o mote da campanha na época era a luta contra as multinacionais que, com a mecanização e o uso de agrotóxicos, "expulsaram do campo milhares de trabalhadores, jogando-os na beira das estradas, sem emprego e em condições miseráveis". "Essas pessoas, sem preparo, passaram a ir morar debaixo de pontos, fazendo invasões em terrenos próximos às cidades (favelas). Atualmente, os que não estão em favelas, continuam no movimento de retorno a terra (MST)", declarou.

"Então, naquela época, passamos a contar com a simpatia e amizade dos presos políticos do Paraná, porque todos os dias, pela manhã, íamos à prisão onde estavam, levando-lhes as boas novas do dia, incluindo jornais e revistas. Quando estávamos chegando, era uma festa. Até parecia que estávamos lhes concedendo um 'alvará de soltura'", relembrou o advogado.

Leia o convite feito pelo Congresso Nacional a Luiz Salvador:

CÂMARA DOS DEPUTADOS

São Paulo, 25 de novembro de 2003

Of. 147/03-SP

Prezado Senhor

Tenho a honra de convidar a V. Sa., para a Sessão Solene da Câmara dos Deputados, de minha iniciativa, com o apoio do Conselho Federal da OAB, da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas -- ABRAC, que será realizada no próximo dia 04 de dezembro, às 10h00, no Plenário Ulysses Gumarães, Praça dos Três Poderes, Brasília, em homenagem aos advogados criminalistas que atuaram, nas décadas de 60 e 70, nas Auditorias Militares Regionais, no Superior Tribunal Militar e Supremo Tribunal Federal, na defesa de presos políticos brasileiros.

Solicitamos a V.Sa., na qualidade de um dos homenageados, que confirme presença pelos telefones em Brasília - (61) 318-5803 com Caio ou Lúcia, em São Paulo - (11) 5589-9345 com Inês ou Lili, ou pelo e-mail josementor@uol.com.br, até 30 de novembro. Informamos ainda que, após a realização da Sessão Solene, será oferecido almoço ao homenageado e acompanhante.

Solicitamos, também, que nos envie, se possível até a data do evento, texto de sua livre escolha, de duas a três laudas, sobre a experiência de V.Sa. (profissional, caso pitoresco, momento político da época, papel do advogado na redemocratização, etc), para edição de livro que será publicado em 2004.

Agradecemos, antecipadamente, sua presença.

Atenciosamente

José Mentor -- Dep. Federal-PT/SP

Revista Consultor Jurídico, 5 de dezembro de 2003, 9h44

Comentários de leitores

1 comentário

Aproveitando para cumprimentar Luiz Salvador, g...

Luís Guilherme Vieira (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Aproveitando para cumprimentar Luiz Salvador, gostaria de esclarecer, a todos os leitores do Conjur, que o nobre colega paranaense foi homenageado, pelo Congresso Nacional, na sessão referida na matéria, juntamente com um sem-número de outros bravos advogados que, Brasil afora, defenderam, sem destemor, os perseguidos do nefasto regime ditatorial. Portanto, o nome de todos os homenageados deveria constar da matéria, pois eles, sem sombra de dúvida, fazem parte da recente história brasileira. Luís Guilherme Vieira

Comentários encerrados em 13/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.