Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cartas na mesa

Leia a defesa de Ali Mazloum sobre o escândalo da Operação Anaconda

O advogado do juiz federal Ali Mazloum, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, afirma que seu cliente foi envolvido na Operação Anaconda para que o "escândalo" ganhasse destaque na imprensa e valorizasse a operação.

Na defesa do juiz quanto à acusação de formação de quadrilha, Mariz afirma que o fato de não haver gravação de nenhuma conversa telefônica de Ali -- nem com integrantes da suposta quadrilha, nem com ninguém -- prova que o juiz é inocente. "Sobre as conversas telefônicas interceptadas, conforme já referido anteriormente, trata-se de diálogos entre pessoas estranhas ao requerente [Ali], que com ele nunca tiveram qualquer relação", afirma o advogado.

Na outra defesa, quanto à acusação de abuso de autoridade, Mariz argumenta: "Insurge-se a acusação contra o fato de o magistrado haver condicionado o recebimento da denúncia [no caso Ari Natalino da Silva] 'ao conhecimento, por ele, da integralidade das gravações realizadas nas interceptações telefônicas'. Teria ele demonstrado 'intenso interesse em conhecer totalmente as gravações'."

"A defesa deseja, aqui, por avaliar oportuno, abrir um pequeno parêntesis. Quer dizer, então, que aquela denúncia foi oferecida sem que fosse juntada toda a prova colhida acerca dos fatos? Escolheu a acusação as provas que lhe interessavam? Parte das gravações foi simplesmente deixada de lado? Por que?", questiona o advogado.

E completa: "Duvida a acusação, por querer duvidar, que um magistrado tenha interesse em conhecer todas as provas de um processo de sua competência e que, estranhamente, não foram anexadas aos autos. Que estranha idéia as acusadoras fazem da Magistratura brasileira?"

-- Clique aqui para ler a defesa quanto à acusação de formação de quadrilha

-- Clique aqui para ler a defesa quanto à acusação de abuso de autoridade

Revista Consultor Jurídico, 3 de dezembro de 2003, 10h53

Comentários de leitores

2 comentários

A qual "PODEROSO" de plantão o Juiz Ali Mazloum...

Marta Otoni Marinheiro Rodrigues (Advogado Sócio de Escritório)

A qual "PODEROSO" de plantão o Juiz Ali Mazloum desagradou? Espera-se que atos como os perpetrados contra o juiz não desencoraje outras pessoas a continuar sua luta pela defesa da Justiça.

Como dito alhures, há imprensa e imprensa... Pa...

O visitante (Outros)

Como dito alhures, há imprensa e imprensa... Parabenizo a editora Laura Diniz e a equipe do Consultor Jurídico pela verdadeira lição de ética jornalística. Se de um lado trouxe ao conhecimento público os argumentos da acusação, veiculados na imprensa em geral - porém, sem a panacéia jornalística de outros meios de comunicação - de outro, traz agora os argumentos da defesa. Como também já dito, somente a imprensa pode resgatar essa ética. O Consultor Jurídico é um dos exemplos dessa ética.

Comentários encerrados em 11/12/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.