Consultor Jurídico

Minutos de silêncio

Leia a nota divulgada pelos filhos do jornalista Roberto Marinho

Roberto Irineu Marinho, João Roberto Marinho e José Roberto Marinho divulgaram nota à imprensa sobre a morte do pai, o jornalista Roberto Marinho. Eles agradeceram as manifestações de solidariedade do povo brasileiro.

"Da mesma forma, foi eloqüente o minuto de silêncio que a Câmara dos Deputados também fez em homenagem a nosso pai, interrompendo uma votação importante, envolvendo pontos de uma reforma tão polêmica como a da Previdência", afirmaram.

Leia a nota:

Ampliar o compromisso

Nesse momento de extrema dor, a manifestação de respeito, carinho e admiração do povo brasileiro pela figura de nosso pai nos comoveu, nos emocionou e nos consolou. A imagem de dois estádios de futebol lotados, logo após o anúncio de sua morte, com jogadores, árbitros, dirigentes e, fundamentalmente, o povo prestando um minuto de silêncio é uma cena que guardaremos para sempre em nossa memória. Da mesma forma, foi eloqüente o minuto de silêncio que a Câmara dos Deputados também fez em homenagem a nosso pai, interrompendo uma votação importante, envolvendo pontos de uma reforma tão polêmica como a da Previdência.

Também as palavras sobre a importância de nosso pai, vindas de jornalistas, artistas, escritores, políticos, empresários, esportistas e gente do povo nos tocaram profundamente. Seremos eternamente gratos por estes gestos.

Mas, mais do que nos consolar, todas essas manifestações reforçaram em nós a convicção de que a morte de Roberto Marinho só aumenta a nossa responsabilidade. Porque deixam claro que o povo brasileiro reconhece, espontaneamente, não somente a relevância de nosso pai para a vida do país, mas principalmente de sua obra. Uma obra que sempre se pautou pela defesa do patrimônio nacional, da cultura brasileira e dos valores mais caros ao Brasil.

O povo brasileiro se vê em nossos jornais, rádios, televisão, internet e na Fundação Roberto Marinho. Porque somos brasileiros trabalhando para brasileiros. Quando, hoje, avaliamos o legado de nosso pai, temos orgulho de todos os nossos veículos, seja o Globo, onde tudo começou, ou o Extra e o Diário de São Paulo, iniciativas mais recentes, ou o Sistema Globo de Rádio, Editora Globo e Globo.com. Porque retratam e defendem o nosso país.

A TV Globo é uma emissora com seis horas diárias de jornalismo de qualidade no ar e com uma produção artística genuinamente nacional em volume sem igual no Brasil. É nela que o nosso povo se informa e se diverte, o que a torna um fator importante de integração nacional. Tudo isso demonstra que a obra de nosso pai é uma contribuição importante, decisiva, fundamental, para a manutenção da nossa cultura e para a defesa dos valores democráticos do nosso povo.

A vida de nosso pai foi sem dúvida vitoriosa, e esta é a imagem que o povo brasileiro guarda dele. Mas ele foi vitorioso também porque soube superar uma a uma as crises, algumas graves, que se puseram em seu caminho. Em nosso longo convívio, aprendemos com ele a buscar sempre a verdade; a fazer tudo com a qualidade que o nosso povo exige, e com a ética de que não podem abrir mão os homens de bem. E com ele aprendemos como manter no rumo as empresas vitoriosas que fazem parte das Organizações Globo. Obstáculos virão, mas, como nosso pai, saberemos superá-los.

Porque também com ele aprendemos a lição mais importante: a obra de nosso pai partiu de um ideal dele, mas só pôde ser concretizada porque foi o resultado de uma aliança entre jornalistas, artistas, escritores, profissionais da cultura e o povo brasileiro. Não somente preservar, mas ampliar essa obra é o nosso compromisso. E ela será ampliada, não apenas porque este é o nosso desejo, mas porque pretendemos manter intacta esta aliança que a originou. Esta é a nossa intenção, este é nossa determinação, este é o nosso compromisso.

Roberto Irineu Marinho

João Roberto Marinho

José Roberto Marinho

Rio de Janeiro, 07 de agosto de 2003




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2003, 18h16

Comentários de leitores

1 comentário

Roberto Marinho, deixa a família, e o povo bras...

Nelson de Assis Bandeira ()

Roberto Marinho, deixa a família, e o povo brasileiro, para atender ao chamado de Deus. O Brasil sem Roberto Marinho é um país com menos recursos. Que Deus conforte a família Roberto Marinho e o povo brasileiro. (O Brasil Chora).

Comentários encerrados em 15/08/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.