Consultor Jurídico

Sem abuso

TRT-SP decide que greve de motoristas não é abusiva

A seção especializada em Dissídios Coletivos do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região decidiu que a paralisação dos trabalhadores da Empresa Expresso Paulistano não é abusiva. Os trabalhadores estão em greve desde quinta-feira (21/11) pelo não pagamento do vale-refeição.

A sessão foi presidida pela juíza Vania Paranhos e os juízes determinaram o pagamento dos dias parados desde que os motoristas voltem imediatamente ao trabalho. O Tribunal também determinou a arrecadação de bens e recursos da empresa para pagamento da dívida trabalhista e indicou a São Paulo Transportes como fiel depositário desses recursos.

Os juízes do TRT também decidiram tornar indisponíveis os bens dos sócios da Expresso Paulistano e aplicar o decreto nº 368/68, da CLT. Pelo decreto, a empresa fica proibida de pagar pro labore ou qualquer remuneração a sócios e diretores até a quitação da dívida.

Um pouco antes do julgamento, o Tribunal promoveu uma audiência de conciliação para tentar promover um acordo entre os trabalhadores, o SPTRANS e a empresa Expresso Paulistano, mas os representantes da empresa não compareceram.

A presidente do TRT, juíza Maria Aparecida Pellegrina concedeu liminar, a pedido do Ministério Público do Trabalho, determinando a circulação de uma frota mínima de 80% nos horários de pico e de 60% fora do pico para os ônibus da Expresso Paulistano e a cobrança de uma multa diária de R$ 50 mil por dia de paralisação.

A Expresso Paulistano integra o Consórcio Aricanduva, grupo de empresas de ônibus que atende aos bairros da zona leste da cidade. No dia 8 de novembro, a empresa participou de um julgamento no TRT de um outro dissídio coletivo de greve pelos mesmos motivos.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2002, 21h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.