Consultor Jurídico

Nota de apoio

OAB-SP apóia greve de alunos da Faculdade de Letras da USP

A OAB-SP divulgou nota de apoio ao movimento de paralisação dos alunos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Os alunos querem a ampliação do quadro de professores e o fim da superlotação das salas de aula.

“A falta de um padrão mínimo de qualidade do ensino torna-se um

fardo para toda a sociedade, porque um profissional sem a devida

qualificação não ocupará lugar de destaque na pesquisa, nem terá inserção produtiva no mercado de trabalho, propiciando o devido retorno para o desenvolvimento do País”, disse o presidente da OAB-SP, Carlos Miguel Aidar.

Leia a nota da OAB-SP

NOTA OFICIAL

A Seccional Paulista da Ordem dos Advogados do Brasil vem

publicamente manifestar seu apoio ao movimento de paralisação dos discentes da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo em prol da ampliação do quadro de docentes da unidade e do fim da superlotação das salas de aula.

A melhoria na qualidade do ensino superior é uma das preocupações da OAB SP, que não poderia se furtar em apoiar uma das mais tradicionais e celebradas instituições de ensino do Estado e do País na busca do mesmo intento.

Os Poderes Públicos defendem sempre a educação como prioridade, mas as políticas financeiras nem sempre propiciam os recursos necessários para atingir essa meta. Por isso, a autonomia universitária depende, muitas vezes, de condições externas para sua exeqüibilidade.

A falta de um padrão mínimo de qualidade do ensino torna-se um

fardo para toda a sociedade, porque um profissional sem a devida

qualificação não ocupará lugar de destaque na pesquisa, nem terá inserção produtiva no mercado de trabalho, propiciando o devido retorno para o desenvolvimento do País. A Ordem entende que o incremento do acesso ao ensino superior, quando degradado, não resolverá o problema da democratização da educação, mas criará distorções indesejáveis.

Por isso mesmo apela para que a Universidade de São Paulo, honrando suas tradições de ilha de excelência, encontre uma saída para o impasse que vem ferindo o Código de Ética da própria instituição, que prevê ao docente se abster da atividade letiva em "condições de trabalho que não sejam dignas ou que possam ser prejudiciais à educação em geral e ao ensino público".

São Paulo, 15 de julho de 2002.

Carlos Miguel Aidar

Presidente da OAB SP




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de julho de 2002, 14h42

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 23/07/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.