Consultor Jurídico

19/4/2002

Primeira Leitura: Copom mantém juro básico e eleva pessimismo no país


Visão pessimista

A decisão do Copom de manter o juro básico em 18,5% elevou o grau de pessimismo no país. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) resumiram na quinta-feira o sentimento dos empresários: a crença no crescimento da produção e do emprego está em declínio.

Má governança

O juro não poderia mesmo cair, dada a conjuntura, é verdade. O problema é a conjuntura, fruto de má governança: a Petrobras, por exemplo, é uma estatal monopolista que adquiriu poderes extraordinários sobre os preços dos combustíveis. A empresa poderia ser uma arma para enfrentar a conjuntura externa, mas o governo está usando essa arma contra o país.

Ansiedade

O petróleo subiu de novo na quinta-feira, fechando a US$ 26,20 em Nova York, com alta de 1%, e a US$ 25,69 em Londres, com elevação de 1,22%. Persiste no mercado o temor de que possa haver interrupção da oferta.

O fracasso da viagem ao Oriente Médio do secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, tem deixado os operadores nervosos quanto à possibilidade de agravamento no conflito israelo-palestino.

Era verdade

No dia 1º de abril, a manchete do Primeira Leitura já dizia que essa conjuntura ameaçava a recuperação da economia: "Uma elevação persistente pode comprometer a reação da economia norte-americana e, portanto, mundial."

Herança malanista

A má governança também aparece na crise das telecomunicações, que colocou a área econômica em conflito com a Anatel. O setor e seus vultosos investimentos também seriam um breve contra a crise global, mas voltam-se igualmente contra o país: falta renda para o consumo nesse mercado. Outra mazela legada pelo malanismo.

Por falar em Malan...

Aliás, outro exemplo de má governança é a decisão do ministro da Fazenda de pagar antecipadamente uma parcela de US$ 4,2 bilhões ao Fundo Monetário Internacional. Ora, a crise do petróleo orquestrada por Bush não atingiu o Brasil? Por que tornar o cobertor mais curto? Há uma resposta: Malan não perderia essa oportunidade de polir seu currículo, tão elogiado em Wall Street.

Outro cenário

Com a manutenção da verticalização das alianças partidárias na eleição deste ano, ficam prejudicadas as hipóteses de o PFL apoiar o candidato do PPS, Ciro Gomes, e de o PT, de Luiz Inácio Lula da Silva, aliar-se ao PL.

Assim falou...Lula

"Não é numa tacada só que vamos baixar os juros de 18% para 12%."

Do candidato do PT à Presidência, em debate com empresários do Distrito Federal. Segundo ele, a redução drástica das taxas de juros não poderá ser adotada porque o país está dependente da política de juros para captar recursos.

Tudo é história

Faz quatro anos que morreu Sérgio Motta, que comandou as duas vitórias do PSDB nas eleições presidenciais. Era o braço mais ativamente social-democrata do PSDB e foi um dos comandantes do processo de privatização das teles, esse mesmo hoje submetido às chicanas de algumas minoridades incrustadas no governo.

Hábil negociador político e homem dotado de raro pensamento estratégico, ele estava convencido de que as reformas necessárias só se fariam com o apoio da fatia mais conservadora do Congresso.

Enquanto esteve à frente desse processo, o PFL foi mantido perto o bastante para não criar problema e longe o bastante para não conspurcar a natureza das reformas. É precisamente essa capacidade de agir de maneira pendular que se perdeu com a sua morte. Desaparecido Sérgio Motta, o pêndulo do governo FHC ficou estacionado na direita.

Revista Consultor Jurídico, 19 de abril de 2002.





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de abril de 2002, 9h27

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/04/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.