Consultor Jurídico

Eleições no TRT-SP

TRT de São Paulo elege novo presidente na quarta-feira

O novo presidente do TRT de São Paulo, que será eleito na próxima quarta-feira, dia 2, vai gerenciar a pior fase já vivida pela Justiça do Trabalho no Estado.

Reduzido em 1/3, com a extinção dos classistas, o quadro de juízes do Tribunal terá que dar conta de cerca de 107 mil processos nos próximos doze meses. Algumas das varas trabalhistas encontram-se alojadas em prédios que já chegaram a ser interditados por falta de segurança e pelas péssimas condições em que se encontram.

Para piorar as coisas, a previsão é de que o orçamento do TRT seja suficiente apenas para as despesas de pessoal, a partir de setembro. Num momento em que a disposição para repasse de verbas por parte do governo federal é a menor possível.

Envoltos no tumulto do noticiário estrelado por Nicolau dos Santos Neto, juízes e funcionários experimentam sensações inéditas cercados pelas investigações e suspeitas da imprensa, da polícia e do Ministério Público.

A revista Consultor Jurídico entrevistou os três juízes candidatos à presidência do Tribunal: Carlos Orlando Gomes, Francisco Antonio de Oliveira e Gualdo Amaury Formica. O quarto juiz habilitado para a disputa, João Carlos Araújo, não postula a vaga.

Conheça as propostas dos três candidatos:

Carlos Orlando Gomes

Dono de sólida reputação e reconhecido por seu senso de justiça, o juiz Carlos Orlando Gomes desenhou um plano de vôo para o início de sua eventual administração. Preparou um programa de recuperação do Tribunal para restabelecer a auto-estima na Casa e cursos de reciclagem para os aspectos operacionais da Instituição. Veja o que pensa e o que propõe Carlos Orlando Gomes para redirecionar os destinos da justiça trabalhista de São Paulo.

Caso o Sr. seja eleito, quais serão as suas primeiras medidas?

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, responsável por mais de 1/3 das ações reclamatórias propostas em todo o país, padece de inúmeras carências específicas relativamente aos recursos humano e instrumental, obstando a pronta solução dos litígios.

Há imperiosa necessidade da adoção de medidas administrativas eficazes, objetivando superar os entraves existentes no primeiro e segundo graus, contando para tanto com a conjugação de esforços de juízes, funcionários e advogados, além das entidades representativas de classe.

No âmbito da primeira instância, assoberbada de processos e insuficiente quadro de pessoal, serão criados grupos de trabalho e comissões temporárias para o efeito de quantificar o número compatível de funcionários com a demanda de serviços, racionalizando o expediente burocrático e propondo medidas legislativas para ajustes futuros.

No tocante à segunda instância, será formada uma comissão para estudo e propostas de medidas, visando aumentar o número de Turmas e, consequentemente, a composição do Tribunal Pleno, para atender ao elevado número de processos pendentes de julgamento, aguardando distribuição, e a crescente interposição de medidas recursais e ações de competência originária.

No concernente aos funcionários é premente que se adote providências restabelecendo a auto-estima, conferindo-lhes como estímulo, dentro dos períodos previsíveis a ascensão funcional vinculada a criteriosa avaliação objetiva de mérito. Farão cursos de reciclagem, integrando-os efetivamente nos objetivos da Instituição e habilitando-os para o exercício de "funções comissionadas".

O Sr. é a favor da restituição do prédio da barra Funda ao TRT da 2ª Região?

A transferência do prédio para o patrimônio da União, dadas as circunstâncias adversas, parece-me que foi a solução mais adequada, principalmente com referência a dotações orçamentárias para o seu término e manutenção futura, que exigirão vultosos recursos. É público e notório inexistir boa vontade dos Poderes da República com pertinência a este evento.

Inadmissível que os colegas de primeiro grau, advogados, funcionários e jurisdicionados continuem aglomerados em exíguos espaços físicos distribuídos em cinco prédios, sem conservação, insalubres e perigosos. A instalação das Varas do Trabalho exige pronta solução, não admitindo mais que se perpetue no tempo, aguardando solução do prédio inacabado.

A imagem da Justiça Trabalhista em São Paulo ficou comprometida com os episódios que vem sendo noticiados?

É inegável que a vinculação exacerbada dos fatos relacionados à construção do Fórum Trabalhista de primeiro grau, gerou repercussão negativa na imagem da Instituição, olvidando que se tratava de um fato isolado, que deveria ser discutido isoladamente, não podendo atingir a dignidade de toda a Magistratura e a majestade da própria Justiça.

No seu entender, o TRT funcionará melhor centralizado, em um prédio único ou de forma descentralizada, distribuindo as Varas pelos bairros?




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/08/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.