Consultor Jurídico

Terminou em pizza

Câmara Municipal de São Paulo decide não cassar Maria Helena

A vereadora paulistana Maria Helena (PL) escapou, nesta terça-feira (25/4), de ter o seu mandato cassado pelo plenário da Câmara Municipal.

Na primeira votação, referente à acusação de posse e uso de um cheque em branco, a absolvição já era dada como certa porque o relatório da comissão processante inocentava a vereadora desta acusação.

Os parlamentares também absolveram Maria Helena de tentativa de extorsão, que teria sido feita contra o vereador Salim Curiatti Júnior (PPB).

Outra acusação contra a vereadora que caiu por terra (com apenas 28 votos a favor da cassação) foi a de apropriação de parte dos salários e vales refeição de seus funcionários de gabinete.

Antes da votação, já se dizia, nos bastidores da Câmara, que a vereadora seria absolvida.

Segundo assessores da Casa, que preferiram não se identificar, o pouco tempo que o advogado da vereadora, Laerte Torrens, levou para fazer a defesa e a quantidade dos documentos do processo lidos revelou a tendência dos parlamentares.

Ao final da sessão os vereadores de oposição defenderam o fim da votação secreta, pois, segundo eles, isso fará com que os eleitores "saibam em quem estão votando".




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/05/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.