Consultor Jurídico

Violência na infância

Defesa à criança e ao adolescente deve ser causa nacional

Os três Poderes da República, além do Ministério Público, são os principais culpados pela violação dos direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes no Brasil. Essa foi a sentença da 27ª Sessão do Tribunal Permanente dos Povos, ao analisar as condições dos menores no país.

O Tribunal Permanente dos Povos foi criado em 1976 para analisar as questões fundamentais dos direitos humanos e combater suas violações. As sessões do Tribunal são instaladas de acordo com denúncias de desrespeito dos direitos fundamentais do homem.

No Brasil, estiveram reunidos 11 juízes do Tribunal - 5 estrangeiros e 6 brasileiros - para investigar e analisar denúncias de maus tratos à crianças e adolescentes. Depois de ouvir diversos testemunhos e de visitar a Febem, em São Paulo, os juízes chegaram a seguinte conclusão: Todos os Poderes da República tem sua parcela de culpa pela violação de direitos da criança.

O Judiciário e o Ministério Público foram culpados por revelarem uma tendência à criminalização excessiva das condutas de adolescentes.

Os juízes sentenciaram que o Executivo - nos níveis municipal, estadual e federal - se porta de maneira omissa ao não colocar em prática regras constitucionais que obrigam a atribuir prioridade à proteção dos menores. Segundo a sentença, os cortes orçamentários em programas sociais e o congelamento de verbas para sua implementação, não podem ser consideradas como receitas conjunturais de efeitos passageiros.

Para os juízes, o Legislativo demonstra inércia por não complementar as leis básicas com sua necessária regulamentação, além de ter limitado a celeridade na fiscalização do cumprimento das leis pelo Executivo.

Segundo Roberto Vômero Mônaco, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP e coordenador da comissão organizadora da 27ª sessão do Tribunal, "o Brasil possui uma das melhores legislações do mundo em relação à proteção da criança e do adolescente. O problema se encontra na enorme distância que há entre as leis e a realidade vivida no país".

Foram propostos alguns caminhos para eliminar as violações que, segundo o Tribunal, vão desde exploração do trabalho infanto-juvenil até a pedofilia e a violência sexual contra crianças e adolescentes, inclusive no âmbito familiar.

O Tribunal Permanente dos Povos sugere que a proteção à criança e ao adolescente seja assumida como causa nacional através de um pacto de políticos com a sociedade civil, com aplicação garantida e continuidade assegurada, independente da alternância do poder.

Os juízes propuseram, ainda, alterações legislativas como a aplicação de duras sanções para empresas que explorem o trabalho infanto-juvenil, determinando o cancelamento das licenças de funcionamento, e a tipificação do crime de pedofilia como crime hediondo.

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 1999.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 1999, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/04/1999.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.