Consultor Jurídico

Brinquedos contaminados

Brinquedos contaminados na mira do MP

O Ministério Público paulista decidiu apurar, preliminarmente, as denúncias feitas pelo Greenpeace, de que foram encontradas substâncias tóxicas em brinquedos feitos a base de PVC. Estudos realizados pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, e pelo laboratório Falcão Bauer, em São Paulo, detectaram em alguns brinquedos feitos com o material níveis de chumbo e cromo acima do que permite a lei.

A Promotora de Justiça Dora Bussab, coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça do Ministério Público do estado, enviou correspondência ao IPEM (Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo) solicitando cópia dos autos de apreensão e laudos do Instituto Falcão Bauer, que constataram o problema.

Além de cópia dos laudos, o MP solicitou nome dos fabricantes dos brinquedos mencionados no estudo, "demais dados dos processos administrativos" e envio de cópia "da legislação pertinente", para eventuais providências.

Segundo o Greenpeace, os levantamentos revelaram que as substâncias são adicionadas ao PVC (também conhecido como vinil) para torná-lo macio e resistente, e se ingeridas podem causar danos permanentes ao cérebro, fígado, e sistema reprodutivo.

A ONG afirma que o PVC é diferente dos demais tipos de plásticos devido à grande quantidade e variedade de aditivos que são necessários para fazer produtos acabados. Estes aditivos não estão fortemente ligados ao plástico - comportam-se como gotas de água em uma esponja - podendo ser liberados durante o uso do produto. Quando as crianças sugam, mordem, mastigam ou manuseiam brinquedos de PVC, elas podem acabar ingerindo parte dessas substâncias tóxicas.

Alguns produtos fabricados com o PVC são comercializados com a indicação "vinil", ou com o número "3", ou ainda com a letra "V". De acordo com o Greenpeace, a maioria dos mordedores e brinquedos usados para distrair bebês é feita com o vinil.

Caso sejam constatadas as irregularidades, o Ministério Público deverá tomar providências para a retirada desses brinquedos do mercado. O problema pode ser resolvido amigavelmente, através de acordo em inquérito civil, ou judicialmente, através de Ação Civil Pública.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de janeiro de 1999, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/01/1999.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.