Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luto na Justiça

Morre o desembargador Álvaro Eduardo Junqueira, aposentado do TRF-4

Desembargador Álvaro Junqueira estava aposentado desde 2013.
Divulgação

Morreu nesta segunda-feira (4/9), em Curitiba, aos 60 anos, o desembargador federal aposentado Álvaro Eduardo Junqueira, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Junqueira nasceu na capital paranaense. Formou-se em Direito pela Universidade Católica do Paraná, em 1983. O magistrado fez cursos de especialização na Universidade da Florida (EUA), em 1996, e na Faculdade Curitiba (PR), de 2002 a 2004.

Foi técnico de controle externo no Tribunal de Contas do Paraná de 1980 a 1987. Entre 1987 e 1991, exerceu o cargo de promotor de Justiça nas comarcas de Marilândia do Sul, Cândido de Abreu e Bocaiúva do Sul, todas no Paraná. Foi juiz federal de 1992 a 2004, atuando em varas de Foz do Iguaçu, Porto Alegre e Curitiba. Também exerceu a presidência da Turma Recursal do Juizado Especial Federal do Paraná, entre 2002 e 2004.

Em julho de 2004, passou a fazer parte da composição do TRF-4 como desembargador federal. Aposentou-se em julho de 2013, quando estava na 7ª Turma do TRF-4, que julga matéria penal.

Como desembargador coordenador do Sistema de Conciliação (Sistcon) da 4ª Região, Junqueira foi vencedor do prêmio “Conciliar é Legal” do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no ano de 2010, na categoria TRFs. O projeto premiado foi a realização de mutirões de conciliação na JF do RS, de SC e do PR. (Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4).

Revista Consultor Jurídico, 4 de setembro de 2017, 20h13

Comentários de leitores

1 comentário

Foi um juiz exemplar, discreto e eficiente

DAGOBERTO LOUREIRO - ADVOGADO E PROFESSOR (Advogado Autônomo)

Grande figura, o Álvaro.
Lembro-me que, numa das visitas que fiz ao Forum de Curitiba, encontrei-o no saguão do prédio, sentado entre aposentados que, no Juizado de Pequenas Causas, reivindicavam direitos postergados pela previdência. Sentava entre eles, sem se identificar, mas parecendo um deles, para sentir os comentários e as impressões dos jurisdicionados, talvez para saber o que poderia ser melhorado no exame sistemático e constante daquele tipo de causas.
Discreto e eficiente, um Juiz exemplar, pai amoroso e colega muito querido. A noticia de sua partida prematura abalou-nos a todos, deixando um vácuo de saudade e consternação. Que Deus o tenha e conserve junto de si.
A todos os seus familiares, minhas sentidas condolências.

Comentários encerrados em 12/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.