Consultor Jurídico

Notícias

"Leviana e infundada"

Advogados rebatem fala de deputado sobre ações trabalhistas baseadas em fraudes

Comentários de leitores

5 comentários

Impressão de quem advoga para reclamados

Edgar Stuelp Junior (Advogado Autônomo - Tributária)

Olá, sou advogado formado há 12 anos e que advogo sempre para empresas reclamadas na Justiça do Trabalho. A alegação do deputado de que 90% das reclamatórias são fraudulentas não parece acertada. Na minha experiência na área, 98% das reclamatórias são, ao menos em parte, fraudulentas! É reclamante alegando que fazia hora extra quando de fato nunca fez, reclamando acúmulo de função que nunca existiu, pedindo condenação por danos morais inexistentes. Na minha opinião a legislação processual trabalhista mereceria ser revista. O reclamante deve ser responsabilizado pelos pedidos que faz. Quando falta com a verdade (uma vez comprovada) DEVE ser condenado em litigância de má-fé. Quando perde a maioria dos pedidos da exordial DEVE pagar os honorários advocatícios do advogado oposto e arcar com as custas processuais. Se hoje existem tantos pleitos indevidos é porque não há consequência quando se prova o contrário. É uma loteria que o reclamante faz, contando que o reclamado perca um prazo ou não junte algum documento. A Justiça do Trabalho precisa ser rediscutida. A legislação trabalhista precisa ser rediscutida. O mundo mudou, as relações de trabalho evoluíram, só nossa legislação continua atrasada.

Deputado desinformado

Claudinei José Marchioli (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Quando tomei conhecimento da preconceituosa entrevista do Deputado, tive certeza que a fala era de quem desconhece a realidade da Justiça do Trabalho e das condições de trabalho da maioria dos trabalhadores brasileiros, ou de alguém que estava procurando uma justificativa, mesmo que tosca, pelo voto a favor da lei da terceirização, lei esta, que precarizará ainda mais as condições de trabalho e aumentará em muito o numero de ações trabalhistas. Quem conhece a realidade da Justiça do Trabalho, sabe que as decisões nas ações trabalhistas, são pautadas pelas provas produzidas nos autos, e o grande número de ações, se dá pelo desrespeito aos direitos trabalhistas, por outro lado, uma grande parte destas ações são contra empresas de terceirização, que simplesmente "desaparecem" sem pagar as verbas rescisórias e depósito do FGTS. Com a preconceituosa fala, o Deputado desrespeitou os advogados que militam nesta Justiça Especializada e também a própria Justiça do Trabalho, dando a entender que esta coaduna com fraudes processuais, o que não é a realidade. Está de parabéns o Presidente da ABRAT, pelo artigo combatendo este preconceituoso discurso.

Parabéns AATSP

Imar Eduardo Rodrigues (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Um parlamentar não tem o direito de proferir ofensas a toda uma categoria profissional, com base em achismos e comparações com países que têm empresários cumpridores das leis. Por isso, parabenizo a AATSP, através de seu presidente Lívio Enescu, por se posicionar em defesa da classe e da Justiça do Trabalho. Informo que a OAB de Sorocaba, através da sua Diretoria e da Comissão de Direito Sindical, também já emitiu uma nota de repúdio contra a infeliz fala deste deputado.

90% é um percentual tímido...

Mig77 (Publicitário)

Se for levar em conta os valores pleiteados pelos reclamantes, valores esses que extrapolam em muito eventuais direitos trabalhistas não pagos, e quando por questões éticas, morais e questões de berço e criação, entendermos que não devemos nos apropriar daquilo que não nos pertence, que não nos é de direito, esse número ultrapassa em muito os 90%.E quando se tem sucesso embasado nesses pleitos imorais e que alguém lucrou indevidamente, enriqueceu sem produzir com o dinheiro de quem produz.Isso chama-se fraude. Alguém fraudou, alguém foi fraudado.Utilizar leis, sabidamente, impossíveis de serem praticadas e cumpridas, e os números de reclamações mostram isso, chama-se imoralidade.Quando se coloca paqueiros para recrutar reclamantes, isso chama-se cafajestice.Há, claro advogados trabalhistas sérios, sem dúvida, mas infelizmente não vemos isso sempre.A Justiça do Trabalho acabou com o emprego no país, mas enriqueceu advogados e reclamantes, fechou empresas, empregos e arrancou patrimônio de quem empreende e emprega e o Brasil pagou e ainda irá pagar muito caro por isso.

sem razão dos dois lados!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se por um lado NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO, por outro lado O PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER.

Comentar

Comentários encerrados em 4/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.