Consultor Jurídico

Notícias

Memória viva

OAB de São Paulo inicia comemorações dos 85 anos da entidade

Comentários de leitores

5 comentários

Pelo fim do maldito exame

Touro Reprodutor (Funcionário público)

O camarada estuda no mínimo cinco anos para ser advogado e aí vem a DAB (Desordem dos Advogados do Brasil) que, contando com um desinteressado, passivo, omisso e conivente MEC aplica um desnecessário, inconstitucional, malévolo e caça-níquel exame, apenas para faturar alto e nada declarar ao TCU!
Enfim, sonhos manipulados e jogados no lixo!

Parabéns com ressalvas

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Honra-me ocupar este espaço para parabenizar a colenda OAB/SP pelos seus 85 anos de relevantes serviços prestados aos país. Todos nós devemos preservar as nossas instituições. OAB prestou relevantes serviços ao país no passado e hoje atua na contramão da história. Deveria num gesto de extrema grandeza em respeito ao primado do trabalho abolir de vez sua máquina de triturar sonhos e diplomas, o pernicioso, fraudulento, concupiscente, famigerado caça-níquei$ exame da OAB, (bullying social( uma chaga social que envergonha o país dos desempregados. A privação do emprego é um ataque frontal aos direitos humanos. Assistir os desassistidos e integrar na sociedade os excluídos. Há vinte e um anos OAB vem usurpando papel do omisso MEC a quem compete avaliar o ensino , conforme diz o art. 209 da CF), para impor essa excrescência. Criam-se dificuldades p/ colher facilidades, triturando sonhos, gerando fome, desemprego, depressão, síndrome do pânico, síndrome de Estocolmo, doenças psicossociais e outras comorbidades diagnósticas (bullying social) uma chaga social q envergonha o país dos desempregados. Estima-se q nesse período abocanhou extorquindo c/altas taxas de inscrições e reprovações em massa quase R$ 1,0 bilhão de reais, sem m nenhuma transparência, sem nenhum retorno social e sem prestar contas ao TCU. Não melhorou a qualidade do ensino até porque não atacou as causas e sim as consequências, penalizando 130 mil de cativos ou escravos contemporâneos, jogados ao banimento sem direito ao primado do trabalho. Ensina-nos Martin Luther King na nossa sociedade privar o homem do emprego e renda equivale psicologicamente a assassiná-lo. Mire-se no exemplo do Papa Já não escravos. Mas irmãos. Menos muros. Mais pontes.

Semelhantes

Lauro Soares de Souza Neto, advogado em Marília-SP (Advogado Autônomo - Criminal)

Impressionante como as elites se fecham e não dão satisfação a quem os mantém. A OAB não tem nada a comemorar. Os seus dirigentes - que não largam o osso e se apropriaram da Seccional - estão festejando o que? A Advocacia nunca esteve tão abandonada. O fornecimento de remédios a custo mais barato é a única benemerência que o Advogado tem recebido. Esmola! E a defesa das prerrogativas? E o combate à impune defensoria do estado e ao ministério público que querem acabar com nossa profissão? E os magistrados - principalmente os paulistas - que não respeitam o novo CPC, especialmente no tocante aos direitos dos Advogados? Como mesmo que são usados os recursos da Ordem? Esse grupo que aí está bem que podia ter a dignidade de abrir espaço pra outras pessoas. Peçam a conta, por favor. Aprenderam com seus semelhantes, os políticos.

Apenas verniz

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Infelizmente o que sobrou da OAB paulista é isso: retratos, pompa, rococós, discursos, mas com um imenso vazio na atuação institucional.

Motivos para comemorar não faltam

Manente (Advogado Autônomo)

A anuidade mais cara do País;
Péssimos serviços prestados aos advogados;
Omissão!
Aniversário em janeiro e comemoração o ano inteiro.
Ora, quem está custeando estas comemorações?

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!