Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Onda de violência

Pardos e jovens são as principais vítimas durante greve da PM no Espírito Santo

Durante o mês de fevereiro a Polícia Militar do Espírito Santo parou por mais de 20 dias. Sem policiamento nas ruas, o que se viu foi um caos urbanos com centenas de crimes, inclusive assassinatos. Foram 138 homicídios registrados entre 1 e 28 de fevereiro na Grande Vitória. A maioria das vítimas tem um perfil: homem, jovem, pardo e vitimado por arma de fogo.

Este tipo de arma foi utilizada em 87% dos homicídios. Os dados são de um levantamento da Ordem dos Advogados do Brasil capixaba, baseado em informações da Polícia Civil.

"O Estado do Espírito Santo, que até então vinha numa decrescente no número de homicídios, passou a acumular uma estatística desnecessária e dolorosa, mas que, mais uma vez, revela: o local, a cor e a idade das vítimas", explica Verônica Bezerra, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-ES.

Verônica Bezerra explica, contudo, que não basta conhecer os dados. É preciso estruturar mecanismos, com políticas públicas sérias e contínuas, para que seja possível enfrentar essa questão da violência. 

De acordo com Verônica, nesses momentos é comum surgirem propostas "reativas, esquizofrênicas e bélicas", que não dialogam com a legítima forma de resolver a questão.  No entanto, em sua opinião, a solução para o problema só é possível por meio políticas públicas sociais proativas, estruturantes e contínuas, "ancorada no respeito aos direitos humanos, à cidadania e aos trabalhadores civis e militares".

Vejas os dados levantados pela OAB-ES:

Comportamentos do consumidor
Create your own infographics

 

Revista Consultor Jurídico, 12 de março de 2017, 9h40

Comentários de leitores

3 comentários

Amnésia do esquerdopatas

Pé de Pano (Funcionário público)

Segundo a matéria "A maioria das vítimas tem um perfil: homem, jovem, pardo e vitimado por arma de fogo". Quem escreveu o texto se esqueceu doutra frase: "A maioria dos assassinos tem um perfil: homem, jovem, pardo e armado por arma de fogo".

querem forçar a barra para ser racismo....

daniel (Outros - Administrativa)

este pessoal do comunismo para tudo tenta alegar machismo e racismo.... estão desesperados por inventarem uma "luta de classes"

Falando em números...

Oficial da PMESP (Oficial da Polícia Militar)

De acordo com o Censo 2010, conduzido pelo IBGE, a população do Espírito Santo (ES) era de 3.514.952 pessoas. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) de 2008, a distribuição populacional espírito-santense por cor da pele ou raça, os pardos fazem parte do maior grupo (1.715.694), ou seja, 42,2% da população, enquanto que brancos (1.489.759) ocupam a segunda colocação (42,2%). Os negros, por sua vez, são 300.070 pessoas (8,5%). A grande miscigenação étnica do Espírito Santo ocorreu nas décadas de 1940 até 1980, quando as grandes cidades do estado começaram a se industrializar. Isso atraiu muitas famílias do interior do estado para a Grande Vitória, onde havia grande concentração, sobretudo de pessoas de ascendência europeia, além de boa parte da população local ser parda. Esse êxodo rural causou grande miscigenação no estado.

Comentários encerrados em 20/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.