Consultor Jurídico

Notícias

Sons da crise

Ouça conversa de Michel Temer com presidente da JBS e delator da "lava jato"

Comentários de leitores

6 comentários

Observador...

Sã Chopança (Administrador)

Não consigo rir e dormir ao mesmo tempo!

Pança

Observador.. (Economista)

O senhor é que deveria ir dormir.
Fazer troça em momento tão grave para o país....
Vá dormir.
Faça este bem a si mesmo.
Durma por muito tempo.

Sinceramente

Eududu (Advogado Autônomo)

Não ouvi no áudio o que vem sendo dito pela imprensa.

Não ouvi Temer pedindo ou autorizando a compra o silencio do Eduardo Cunha. Não ouvi Temer passando informação privilegiada sobre juros. Não ouvi Temer aprovando a alegada compra de juízes e procuradores.

Ouvi o tal Joesley o tempo todo tentando fazer Temer dizer algo que queria ouvir. Induzindo e provocando. Ele diz, várias vezes, que gostaria de ouvir o presidente sobre isso e aquilo, e vai contando casos e pedindo opinião do presidente. E assim vão tocando a conversa. Mas trecho realmente comprometedor, sinceramente, não ouvi.

Não estou defendendo ninguém, mas essa gravação não é isso tudo que estão dizendo.

O estardalhaço parece ter sido combinado. E é estranho que, assim que houve o furo do Lauro Jardim, já haviam 3 pedidos de impeachment e um monte de gente falando em eleição direta, ignorando a Constituição. Ora, mas ninguém havia tido acesso ao áudio ainda.

E o delator se mandou para o exterior! Tem caroço nesse angu.

Hipnose.

Sã Chopança (Administrador)

Observador Economista, você está com muito sono! Suas pálpebras estão pesadas, você só ouve a minha voz. Durma, Observador, durma profundamente!

Um dia

Observador.. (Economista)

A sociedade verá que está hipnotizada e nem percebe o que se faz em seu nome.
Para seguir um roteiro e emparedar um PR, alguns agentes permitiram que um empresário que ficou rico com dinheiro público, bilhões que fazem falta a empresas necessitadas de fomento em épocas de crise, e que mentiu, fez o que quis e ainda lucrou com a hecatombe provocada em seu próprio país, com os atos que já sabia a repercussão que provocaria, possa viver tranquilo, em belas cidades, usufruindo o que deveria estar nas mãos do povo brasileiro.
Manterá barcos, jatos, e tudo de bom que a vida oferece, vivendo no exterior e gerando empregos para estrangeiros, deixando o Brasil para trás, com os problemas que se acumulam fruto da ausência de preocupação com a Pátria, em vez de com o Ego, que permeia a conduta de muitos que deveriam servir, com abnegação total , o povo brasileiro.
É impossível achar natural que esta pessoa seja premiada por atos tão graves, enquanto, para seguir uma agenda, foca-se no Presidente da República.
É histórico este triste momento.

O bandido mor

olhovivo (Outros)

O bandido mor nessa história é esse empresário que, em 12 anos de PT e a generosidade do BNDES, fez seu faturamento saltar de 2 para 170 bilhões. Agora que estava no fio da navalha, resolveu induzir Temer a concordar com as afirmações dele (v. a expressão de Temer "Você tem que fazer isso, tá", virar concordância com pagamento, quando na realidade Joeslyer fala "ter mantido bom relacionamento com ele, Cunha"). E o bandido mor ainda se aproveitou da "bomba" que ele próprio detonou para rapar dólares que previsivelmente iriam às alturas. E dane-se a economia brasileira que estava saindo do atoleiro. Como prêmio do MPF, vai sair sem nem mesmo tornozeleiras. Definitivamente, o crime compensa para bandidos como esse.

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!