Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vice com respaldo

ANPR e força-tarefa da "lava jato" apoiam escolha de Raquel Dodge para a PGR

Os três nomes da lista tríplice de procuradores mais votados pela classe para chefiar a Procuradoria-Geral da República têm legitimidade e não existe obrigação de escolher o mais votado. Essa é a posição da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), expressada por meio de nota assinada pelo presidente, o procurador José Robalinho Cavalcanti, sobre a decisão do presidente Michel Temer de indicar a subprocuradora-geral Raquel Dodge para a PGR.

A subprocuradora-geral Raquel Dodge ficou na segunda colocação na votação organizada pela ANPR. ANPR

A entidade afirma que sua posição histórica é de que não há obrigatoriedade ou necessidade de se escolher o mais votado e que este não é o único a ter legitimidade. Para Robalinho, pensar o contrário seria negar a legitimidade ao próprio processo de lista. Dodge ficou na segunda colocação, com 587 votos. Em primeiro ficou Nicolao Dino, com 621 votos.

“Imaginar que procuradoras e procuradores da República, após amplo e aprofundado processo de seleção, conhecendo (como conhecem) cada um dos candidatos, dariam centenas de votos a qualquer um menos dotado de total intuito republicano, desculpem-me, soa ofensivo, não enxerga a história e desconhece os nomes que já oferecemos a ela, como procuradores-gerais e como postulantes a procuradores-gerais”, disse Robalinho.

Aprovação de Curitiba
Quem também se manifestou positivamente sobre a escolha de Dodge foi a força-tarefa da operação “lava jato”. Os procuradores ressaltaram por nota que a indicada por Temer possui uma história respeitada e que demonstrou ter confiança da classe.

“A força-tarefa faz votos de que a subprocuradora-geral possa liderar a instituição na continuidade do consistente trabalho de combate à corrupção que vem sendo feito pelo MPF nos últimos anos, na defesa dos direitos humanos e no cumprimento dos deveres constitucionais e legais do Ministério Público”, afirmam.

Clique aqui para ler a nota da ANPR. 
Clique aqui para ler a nota da força-tarefa da "lava jato". 

Revista Consultor Jurídico, 30 de junho de 2017, 18h50

Comentários de leitores

1 comentário

Respeito e serenidade

Joao Sergio Leal Pereira (Procurador da República de 2ª. Instância)

Merecem aplausos as manifestações de apoio à nomeação de Raquel Dodge ao cargo de Procurador-geral da República. É preciso demonstrar serenidade e respeito no acatamento de decisão presidencial que, rigorosamente, observou os estritos termos da Constituição Federal em vigor. Parabéns a todos!

Comentários encerrados em 08/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.