Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Temas polêmicos

Em livro, juiz discute prisão preventiva, condução coercitiva e execução da pena

Prisão preventiva, condução coercitiva e execução provisória da pena são assuntos de Direito Penal e Direito Processual Penal que vêm gerando calorosos debates devido à sua aplicação e efeitos na operação “lava jato”. Esses temas, entre outros, são abordados pelo juiz Rodrigo Capez, auxiliar do ministro Dias Toffoli no Supremo Tribunal Federal, no livro Prisão e medidas cautelares diversas: a individualização da medida cautelar no processo penal (Quartier Latin), que será lançado nesta quarta-feira (21/6).

Na obra, Capez analisa como essas medidas interferem no direito à liberdade. “As medidas cautelares são alternativas à prisão e não substitutivas. O sistema de medidas cautelares pessoais no processo penal não mais gravita em torno da prisão preventiva, uma vez que o legislador instituiu um rol de medidas cautelares menos gravosas”, opina o juiz.

De acordo com Capez, a individualização das medidas cautelares é um direito fundamental, nas suas dimensões objetiva e subjetiva. Ele também examina as consequências da omissão estatal nesse aspecto.

Segundo Dias Toffoli, que assina o posfácio, “o autor, com maestria, trata detalhadamente do sistema de medidas cautelares pessoais no processo penal, demonstrando como se deve submeter uma medida cautelar aos exames da adequação, da necessidade e da proporcionalidade em sentido estrito, para estabelecer se ela, concretamente, poderia ter sido imposta”.

O livro será lançado nesta quarta, a partir das 18h, no Átrio da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal, que fica no 1º andar do Edifício Anexo II-A, na sede do Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

O livro está à venda na Livraria ConJur:
Prisão e medidas cautelares diversas: a individualização da medida cautelar no processo penal
Autor: Rodrigo Capez
Edição: 1ª (2017)

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2017, 7h05

Comentários de leitores

3 comentários

Se escrever diferente não vende

Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual)

Se o ilustre Juiz escrever diferente vão boicotar seu livro e não venderá nada, assim, pelo amor ao sucesso, quem quiser vender livros no Brasil, que defenda que qualquer medida punitiva viola os direitos humanos e já terá ampla publicidade gratuita.

Livro

Professor Edson (Professor)

Ótimo livro para alinhar mesa.

Doutrina jurídica penal

O IDEÓLOGO (Outros)

Para quem busca a,análise isenta de paixões no Direito Penal e Processual Penal, leia livros de Juízes; para quem combate os "rebeldes primitivos", livros de Promotores e Procuradores de Justiça, inclusive Procuradores da República; porém, quem defende as "almas sebosas" e acha que todo bandido é vítima do sistema, preconizando o "Garantismo", leia o livro de advogados.

Comentários encerrados em 29/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.