Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Responsabilidade civil

Demora para transferir preso de regime depois da progressão causa dano moral

Por 

Preso mantido em regime fechado depois da progressão tem seus direitos de personalidade violados pelo estado e deve ser indenizado. Assim entendeu a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, ao determinar o pagamento de R$ 3,4 mil a um detento que teve de esperar 74 dias para ser transferido ao semiaberto. Ele se encontrava preso no regime fechado desde julho de 1999, quando foi sentenciado a 69 anos de prisão.

Na inicial, o autor informa que a Superintendência dos Serviços Penitenciários do Rio Grande do Sul (Susepe), órgão da segurança pública estadual, foi oficiada sobre a mudança de cumprimento de pena em 13 de fevereiro de 2015. No entanto, o Estado não tomou nenhuma providência para cumprir a ordem do juízo de execução penal, vindo a migrar para o atual regime somente em 27 de abril de 2015. Diz que a retenção indevida em regime fechado, quando isso não era mais necessário, lhe trouxe dor psíquica, tristeza, aflição, vergonha, raiva e sentimento de impotência.

O Estado contestou. Alegou que eventual demora na efetivação da transferência não significa "sofrimento substancial e anormal", pois o autor entra e sai do sistema prisional desde 1983, tendo cumprido mais de 30 anos de pena praticamente no regime fechado. Em síntese, trata-se de criminoso habitual, acostumado com o regime mais gravoso, disse a Procuradoria do Rio Grande do Sul.

Mero dissabor
Em primeira instância, o pedido de indenização foi indeferido. Para a juíza Marilei Lacerda Menna, da 7ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, é "difícil acreditar" em abalo moral, tendo em conta a ficha criminal do autor. "É claro que permanecer além do tempo sem a observância da progressão do regime causa dissabor, mas não ao ponto de ser indenizado. É sabido da crise do sistema penitenciário estadual, em especial da falta de vagas no regime semiaberto", escreveu.

Segundo a julgadora, a jurisprudência sinaliza que a demora razoável na transferência de regime prisional não significa, necessariamente, violação da honra do detento. Devem ser considerados os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, ponderou a juíza. "Não se vislumbra omissão estatal ao não transferir de forma imediata o autor para um estabelecimento do regime semiaberto. Logo, inexiste dever de indenizar no presente caso", concluiu.

Apelação acolhida
O relator do recurso de Apelação no TJ-RS, desembargador Tasso Soares Delabary, reformou a sentença, por entender que a demora superior a 60 dias na progressão de regime viola, sim, os direitos de personalidade assegurados no artigo 5º da Constituição. E, neste caso, o Estado tem de ser responsabilizado pela conduta danosa de seus agentes, como autoriza o artigo 37, parágrafo 6º, da Carta.

De acordo com o relator, a explicação de que a causa da demora foi a falta de vagas no sistema penitenciário não se sustenta. O fato não exime a administração pública de responsabilidade, escreveu o desembargador. A falta de vagas em casa prisional não autoriza a manutenção de apenado em regime mais gravoso, segundo a Súmula Vinculante 56 do Supremo Tribunal Federal.

"Os danos morais decorrem do próprio fato da privação indevida da liberdade e do cerceamento ao exercício de direito determinado por decisão judicial; ou seja, são in re ipsa, satisfazendo a sua demonstração a simples ocorrência do ato ilícito, cujo prejuízo impingido à vítima se presume", encerra. O acórdão é do dia 24 de maio.

Clique aqui para ler a sentença modificada.
Clique aqui para ler o acórdão modificado.

 

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 16 de junho de 2017, 9h08

Comentários de leitores

3 comentários

TJRS

O IDEÓLOGO (Outros)

Parabéns Dra. Marilei Lacerda Menna, Juíza de Direito por ter vislumbrado o fato que os Desembargadores do TJRS, simplesmente desprezaram em detrimento da sofrida sociedade, que não aguenta esses
"Untermenschen"

Então....

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

"O Estado contestou. Alegou que eventual demora na efetivação da transferência não significa "sofrimento substancial e anormal", pois o autor entra e sai do sistema prisional desde 1983, tendo cumprido mais de 30 anos de pena praticamente no regime fechado. Em síntese, trata-se de criminoso habitual, acostumado com o regime mais gravoso, disse a Procuradoria do Rio Grande do Sul."
Pergunta ao Relator: As vítimas do apenado também têm Direito a indenização por dano material e moral?

Vai faltar dinheiro...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Se a moda do judiciário resolver ser bonzinho com o chapéu dos outros pegar vai faltar dinheiro para dar indenização para esses bandidos.

E no final o contribuinte paga a conta 3 vezes: A primeira paga quando tem de recolher os impostos; A segunda paga quando é violentado por esses marginais em decorrência da ineficiência do Estado em garantir a segurança pública e; A terceira paga quando vê o dinheiro pago ao Estado ser utilizado para indenizar esses mesmos marginais.

Por isso costumam dizer que definitivamente o Brasil não é um pais sério.

Comentários encerrados em 24/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.