Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Somente palavras

PGR pede abertura de inquérito contra Marconi Perillo baseado apenas em delação

Por 

A Procuradoria-Geral da República pediu ao Superior Tribunal de Justiça, nesta quarta-feira (14/6), a abertura de um inquérito para investigar o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Para a defesa do chefe do Executivo goiano, "causa perplexidade" o fato de o pedido se basear "somente nas palavras de um delator".

Defesa diz que Marconi Perillo não tem “nenhuma preocupação” com o que delatores disseram sobre ele.

O advogado de Perillo, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, critica o Ministério Público e sustenta que o Supremo Tribunal Federal já decidiu que delação premiada não serve, por si só, como prova. Além disso, ele lamenta o procedimento usado pela PGR, que não convocou o governador para prestar depoimento nem abriu uma sindicância antes de entrar com a ação.

O pedido, assinado pelo vice-procurador-geral da República José Bonifácio Andrada, teria se baseado exclusivamente em relatos de executivos da Odebrecht, que firmaram um acordo de colaboração premiada com a Justiça e acusaram diversos políticos de participar de esquemas para beneficiar a empreiteira em contratos com o Estado.

Este inquérito, no entanto, não tem vínculo com supostos desvios na Petrobras e, por isso, o caso não foi entregue ao relator da “lava jato” no STJ, ministro Luis Felipe Salomão. Por sorteio, o ministro Benedito Gonçalves foi escolhido como relator e caberá a ele autorizar ou não a abertura do inquérito, além de decidir sobre outras diligências solicitadas pela PGR.

Por meio de nota, Kakay ressaltou ainda que Perillo não tem “nenhuma preocupação” com o que delatores disseram sobre ele. “Conforme já demonstrado pela defesa e pela imprensa, há uma série de incongruências e incoerências nos depoimentos dos ex-executivos da Odebrecht”, garante.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 14 de junho de 2017, 19h52

Comentários de leitores

1 comentário

Quem não deve não teme.

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

Há políticos, como o investigado, que se prezam como inalcançáveis pela lex. Ora, um delação equipara-se a uma prova testemunhal, portanto tem natura probatória capaz de condenar alguém se conformada
a outros meios. Pra investigação não se exige prova cabal, própria da sentença, que poderá não vir. Então não há porque desqualificar pedido de quem detém competência legal a tanto.

Comentários encerrados em 22/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.